OMS alerta para subnotificação de casos do novo coronavírus no Brasil


Estadão Conteúdo
23 de junho de 2020 às 10:34
Michael Ryan, diretor do programa de emergências da OMS

Michael Ryan, diretor do programa de emergências da OMS

Foto: Denis Balibouse - 03.mai.2020 / Reuters

A Organização Mundial da Saúde (OMS) mostrou preocupação, nessa segunda-feira (22), com a alta porcentagem de resultados positivos nos testes de Covid-19 realizados no Brasil: 31%, de acordo com o boletim epidemiológico mais recente.

Segundo a agência, o número elevado indica baixa testagem e uma provável subnotificação de casos, uma vez que a taxa média de infectados, em outros países, costuma ser de 17%.

"Precisamos entender como quase um terço dos testes dá positivo. Provavelmente, há uma subestimação do número verdadeiro de casos. A taxa em países com testagem em massa chega até a 5%, e essa tendência não é resultado de realizar vários testes", afirmou Michael Ryan, diretor do programa de emergências da OMS.

Assista e leia também:

Eventos religiosos estão ajudando a espalhar Covid-19, diz OMS

Com alta contínua nos casos, UTIs brasileiras podem ficar sob pressão, diz OMS

Bolsonaro critica OMS e diz que ninguém quer maquiar números da pandemia no país

Na semana passada, Ryan disse que havia uma "estabilização" da doença no país. Questionado nessa segunda-feira sobre a declaração, ele justificou que os números de casos apresentaram um padrão durante as semanas de junho.

O diretor, no entanto, chamou a atenção para os dados divulgados pelo Ministério da Saúde na sexta-feira (19), quando houve recorde absoluto na atualização oficial diária, de 54.771 novos infectados, resultado de uma subnotificação anterior na plataforma.

A diretora técnica da OMS, Maria Van Kerkhove, acrescentou que é necessário reduzir a análise das estatísticas ao menor indicador possível. Segundo ela, é importante identificar as variações no comportamento do vírus em cada local, pois ele não se dissemina de forma equivalente em cada país.

"Pode haver diferenças em intensidade e em transmissão na comparação entre os estados. É importante ir ainda mais a fundo", ressaltou ela.