São Paulo registra 434 mortes por Covid-19 em 24 horas e bate novo recorde

Até o momento, foram registrados 229.475 casos do novo coronavírus no estado, com 7.502 casos confirmados de ontem para hoje

Paula Mariane, Giovanna Bronze e Julyanne Jucá, da CNN, em São Paulo
23 de junho de 2020 às 13:02 | Atualizado 23 de junho de 2020 às 23:10

O estado de São Paulo registrou 434 mortes por Covid-19 nas últimas 24 horas, atingindo um novo recorde diário e elevando o número total para 13.068 mortes.

É a primeira vez que o número de mortos ultrapassa 400 registros em 24 horas. O último recorde diário tinha sido registrado em 17 de junho, com 389 mortes. 

Em números totais, foram registrados 229.475 casos do novo coronavírus no estado, com 7.502 casos confirmados de ontem para hoje. Os dados foram divulgados pela Secretaria Estadual de Saúde (SES-SP), em coletiva de imprensa nesta terça-feira (23).

Avanço da pandemia no interior

Na coletiva, o coordenador executivo do Centro de Contingência Covid-19, João Gabbardo, comentou sobre os dados divulgados pelo secretário de Saúde, José Henrique Germann. 

"É o maior número de óbitos registrados neste período. Obviamente isso entristece a todos, pelo que isso representa para os familiares", disse. Segundo ele, contudo, o número estaria "dentro do cenário previsto até o fim do mês" pelo governo.

Assista e leia também:

Voluntários brasileiros começam exames para receber testes de vacina de Oxford
Corticoide pode ser 'solução' em casos graves da Covid-19, diz imunologista
OMS alerta para subnotificação de casos do novo coronavírus no Brasil
Pesquisa da USP abre caminho para possível novo tratamento para Covid-19

"O interior do estado está em uma curva ascendente, em uma curva de crescimento de casos. Isso faz com que, mesmo com a redução que a gente tenha na região metropolitana e na capital, o cômputo geral continua sendo negativo para aquilo que nós esperamos em nível estadual", declarou. 

A taxa de isolamento social chegou a 53% na capital paulista e 52% no estado no último domingo (21), segundo o sistema de monitoramento inteligente. Na segunda-feira (22), as taxas de isolamento ficaram em 47% e 46%, respectivamente. 

Dexametasona

O coordenador do Centro de Contigência Covid-19, Carlos Carvalho, mencionou o estudo da Universidade de Oxford que comprovou, pela primeira vez, a eficácia de um medicamento na redução da taxa de mortalidade pelo novo coronavírus

"Depois dessas mudanças que sempre impactam de uma forma triste, as pesquisas [sobre esta] doença nova vêm trazendo alguns resultados positivos", disse. 

"A pesquisa acompanhou, por um mês, mais de 6400 pacientes. Uma parte deles, pouco mais de 2100 deles, utilizaram a dexametasona. Nos pacientes mais críticos, que precisavam de ventilação mecânica, [em relação ao] grupo que não usou a dexametasona, a mortalidade reduziu em um terço". 

Apesar do avanço da pequisa, Carvalho alertou que o medicamento não deve ser usado fora do ambiente hospitalar e que a dexametasona apresentou resultados apenas em quadros mais graves da doença.

"O corticosteroide pode ser benéfico nos pacientes de gravidade maior", declarou. 

"É uma boa opção que vai nos ajudar a diminuir a mortalidade dos pacientes com Covid-19”, concluiu. 

Profissionais de saúde

De acordo com os dados divulgados pela SES-SP, 40 profissionais de saúde foram mortos pela doença no estado.

Segundo a secretaria, 10.718 profissionais da área foram afastados da rede pública, com suspeita ou confirmação de Covid-19. 

Desses, 7.258 cumpriram o período de afastamento e já retornaram ao sistema de saúde, enquanto 3.460 profisisonais continuam em tratamento.