Dados não indicam 2ª onda em SP, diz ex-coordenador de comitê contra Covid-19

Pneumologista Carlos Carvalho avaliou evolução da pandemia no estado e disse que não há indícios de uma segunda onda na região

Da CNN, em São Paulo
11 de julho de 2020 às 14:16

Os números do novo coronavírus no estado de São Paulo não indicam uma segunda onda de infecção, afirmou o pneumologista Carlos Carvalho, que também é ex-coordenador do Comitê de Contingência contra a Covid-19. Em entrevista à CNN neste sábado (11), o médico informou que a pandemia está mais controlada em São Paulo em comparação a outros estados do país.

"Dados iniciais não dão sinais de repique, de que estão surgindo casos novos. Aqui em São Paulo a população entendeu muito bem que essa doença não tem tratamento, os médicos não têm tratamento de prevenção. De agora até a vacina chegar, nosso aliado é nosso sistema imunológico", disse.

Segundo ele, a reabertura parcial das atividades acontece agora considerando o lado econômico e a saúde das pessoas, que estão há mais de 100 dias em quarentena. "Nós vamos monitorando gradulmente e a possibilidade de gerar a rebaertura depois de 100 é porque todo mundo está querendo voltar à alguma atividade anterior", explicou.

Leia mais:

Com novas regras, clubes sociais reabrem para 1º fim de semana em SP

É mais seguro praticar esportes ao ar livre ou em academias? Médico responde

"São Paulo adequou o sistema de saúde por demanda, a medida que foi [subindo os] casos, o estado foi se organizando para oferecer mais leitos e com isso foram tomadas algumas medidas de restrições que fizeram com que São Paulo não tivesse um pico de muitos casos no mesmo dia, então de alguma maneira achatamos a curva ao longo do tempo principalmente entre maio e o começo de junho", afirmou.

Neste sábado, o governo de São Paulo registra 17.702 óbitos e 366.890 casos confirmados do novo coronavírus, além de 211.777 pessoas recuperadas. As taxas de ocupação dos leitos de UTI são de 66,3% na Grande São Paulo e 67,5% no restante do estado.