Correspondente Médico: Como a poluição afeta a saúde física e mental?

Decreto federal proíbe queimadas por 120 dias no país

Da CNN
16 de julho de 2020 às 09:26

O governo federal editou um decreto que proíbe queimadas em todo o país por 120 dias. A medida, que passa a vigorar imediatamente, foi publicada no Diário Oficial da União (DOU) desta quinta-feira (16). O decreto ocorre em momento de fortes questionamentos sobre a preservação das florestas brasileiras, em especial a Amazônia.

Os diversos tipos de poluição e notícias sobre desmatamento, queimadas ou destruição do meio ambiente impactam a física e emocionalmente. No quadro Correspondente Médico, do Novo Dia, o neurocirurgião Fernando Gomes fala sobre esses reflexos na saúde.

Além dos diferentes tipos de poluição impactarem a saúde física (como o aumento de estresse, dificuldade de concentração e desenvolvimento de problemas respiratórios), estar inserido num contexto em que elas nos rondam também pode fazer mal à saúde mental.


          Leia também:

Correspondente Médico: Como o cérebro se adapta aos novos hábitos?

Correspondente Médico: Pandemia prejudica sono e muda sonhos dos brasileiros

"Os impactos são negativos porque nós não temos o tamanho e a proporção real do que as queimadas significam para o nosso planeta. Nós temos noção, mas o status real, nós não temos. Isso provoca uma sensação de baixo astral e é muito preocupante também para a nossa saúde física.", explicou.

De acordo com o médico, o ser humano é criado conhecendo sobre a importância da natureza, "quando somos impactados por essas notícias e não temos a dimensão exata do que está acontecendo, nos provêm pensamentos negativos, sensação de ruína, fim dos tempos e desesperança", afirmou.

Gomes avalia ainda que a situação causada pela poluição e desmatamento gera a sensação de ganância  para quem pratica os atos crimosos e, de impotência, para quem não sabe como lidar com a sitação.

"Gera-se a sensação de ganância desmedida de quem faz isso e de impotência de quem não consegue fazer nada para reverter o quadro", concluiu o neurocirurgião.

(Edição: Sinara Peixoto)