'Querem ver resultados', diz Mourão sobre investidores de fundos para a Amazônia


Jéssica Otoboni, da CNN, em São Paulo
09 de julho de 2020 às 12:33

O vice-presidente e coordenador do Conselho da Amazônia, Hamilton Mourão (PRTB), comandou, nesta quinta-feira (9), uma reunião por videoconferência com investidores internacionais que criticaram, nos últimos meses, o desmatamento no Brasil. Após o encontro, Mourão disse, em uma entrevista coletiva, que eles não se comprometeram a enviar fundos para a conservação da Amazônia.

"Os investidores é que colocam dinheiro nesses fundos. Em nenhum momento, eles se comprometeram com alguma política dessa natureza", afirmou o vice-presidente. "Eles querem ver resultados. Qual é o resultado que podemos apresentar? Que haja efetivamente uma redução do desmatamento."

Mourão disse que convidou os investidores a participarem do "esforço do governo brasileiro de preservação, se juntando ao financiamento, seja por meio do Fundo Amazônia, seja por meio dos programas específicos", anunciados recentemente pelo Ministério do Meio Ambiente, como o Floresta Mais e o Adote um Parque.

Assista e leia também:

Após pressão empresarial, Senado convida Mourão para falar sobre desmatamento

Governo vai proibir queimada na Amazônia por quatro meses

CEOs pedem a Mourão rigor na fiscalização do desmatamento da Amazônia

O vice-presidente mencionou que há novas conversas em andamento com Noruega e Alemanha sobre fundos para a Amazônia e aguarda a aprovação deles. "Uma vez que a gente consiga apresentar dados consistentes, os recursos que estão lá serão novamente reabertos para os projetos relacionados ao desenvolvimento, proteção e preservação da Amazônia", disse ele.

"A gente conseguindo apresentar, no segundo semestre, um resultado positivo em relação às queimadas, é algo que pode ser colocado na mesa de negociação dizendo: 'estamos cumprindo com a nossa parte, agora vocês voltem a cumprir com a de vocês'", afirmou.

O encontro faz parte da ofensiva do governo federal para tentar melhorar a imagem do Brasil no exterior e representa uma resposta a uma carta redigida por investidores de nove países, por meio da qual demonstraram preocupação com o desmatamento da Amazônia.