Governo pede que Fiocruz divulgue uso da cloroquina no tratamento precoce


Da CNN
17 de julho de 2020 às 09:10 | Atualizado 17 de julho de 2020 às 09:33


O Ministério da Saúde encaminhou um ofício à Fundação Oswaldo Cruz solicitando a divulgação da cloroquina e da hidroxicloroquina como tratamento precoce para a Covid-19, desde os primeiros dias de sintomas. No entanto, a pasta não cita nenhum estudo que embase a adoção dessa estratégia.

O documento enfatiza que o tratamento com essa medicação faz parte da estratégia da pasta para reduzir o número de casos que demandem internação hospitalar.


Leia também:

Brasil levou 4 meses para atingir 1 milhão de casos - e apenas 1 mês para dobrar

Bebê seria 1ª pessoa infectada por Covid-19 no Brasil, apontam dados da Saúde

De acordo com a Organização Pan-Americana da Saúde e com a Organização Mundial da Saúde (OMS), "todo país é soberano para decidir sobre seus protocolos clínicos de uso de medicamentos". Embora a cloroquina e a hidroxicloroquina sejam licenciadas para o tratamento de outras doenças, não há evidência científica até o momento de que esses medicamentos sejam eficazes e seguros no tratamento da Covid-19.

Em março, a OMS lançou o Estudo Solidariedade, que busca ajudar a encontrar tratamento eficaz para o novo coronavírus. A cloroquina foi um dos medicamentos que começaram a ser investigados pelo estudo clínico. Entretanto, no dia 17 de junho a pesquina com a hidroxicloroquina foi interrompida.

Segundo resultados recentes, o medicamento não resulta na redução da mortalidade de pacientes com o vírus e que estão hospitalizados. 

Em nota, a Fiocruz diz que está ciente das orientações do Ministério da Saúde sobre o uso “off label" – quando o fármaco é utilizado para uma indicação diferente daquela que foi autorizada pelo órgão regulatório – da cloroquina e da hidroxicloroquina contra a Covid-19.

A Fiocruz também entende ser de competência dos médicos a possível prescrição do medicamento. A instituição enfatizou ainda que, por designação do Ministério da Saúde, é a responsável no Brasil pelo estudo clínico Solidariedade.

(Edição: Sinara Peixoto)