Visão Responde: como voltar às aulas de maneira segura?

Volta às aulas presenciais no estado de São Paulo está prevista para o início de setembro

Da CNN
20 de julho de 2020 às 16:07

Em entrevista à CNN nesta segunda-feira (20), a pediatra e professora da faculdade de medicina da Universidade de São Paulo (USP), Ana Escobar, falou sobre a volta às aulas no estado de São Paulo, programada para o início de setembro.

Ao mesmo tempo em que os pais precisam voltar a trabalhar presencialmente, muitos estão preocupados com a segurança das crianças, principalmente das mais novas -- que não sabem como fazer o distanciamento social e higienizar bem as mãos, por exemplo. 

Sobre os pequenos de até 2 anos de idade, Ana lembrou a recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS) e da Sociedade Brasileira de Pediatria: eles não podem utilizar máscaras, pois correm o risco de se sufocar. 

“As famílias dessas crianças devem considerar muito a volta delas às creches e berçários. Vejam se não conseguem se organizar internamente para cuidar delas, porque a volta pode significar um risco para as próprias famílias”, explicou.  

Assista e leia também:

Vacina de Oxford é segura e induz rápida reação imunológica, indicam resultados

Pesquisadora vê chance de vacina de Oxford estar disponível no final do ano

Escolas infantis de São Paulo criam protocolos para volta às aulas

Já as crianças de 2 a 6 anos de idade, disse a pediatra, devem usar a máscara, mas ainda não sabem como fazer o distanciamento social. Além disso, ela salientou que elas vão à escola para aprender a socializar e, neste momento, a socialização ficará extremamente prejudicada.

"Então, de novo, nessa faixa etária, a gente sempre orienta os pais a refletirem sobre os benefícios [dessa volta] para a criança e para a família”. 

A partir dos 7 anos, porém, a situação muda: o pequeno já consegue usar a máscara, higienizar as mãos e tem noção de como fazer um distanciamento social efetivo.

Para as crianças que são portadoras de doenças crônicas, como respiratórias, cardíacas, oncológicas, reumatológicas e com diabetes, cujo organismo é mais suscetível à Covid-19, o ideal é que permaneçam em casa.  

Conforme o governo paulista já havia informado, os estudantes vão voltar às aulas de maneira gradual. Primeiro, até 35% dos alunos poderão voltar presencialmente às salas de aula, respeitando o distanciamento de 1,5 metro. Isso deverá ser feito em forma de rodízio e com os demais alunos seguindo em aulas remotas e online.

Segundo Ana, o rodízio realmente ajuda a facilitar o distanciamento social. Por outro lado, o esquema dificulta muito a logística das famílias, que terão que entender que um dia o filho ficará em casa, e no outro irá à escola. “Como vai ficar o trabalho dos pais em relação a isso?”, questionou.

A pediatra, porém, aconselhou as famílias a analisarem o que for melhor para elas e o que atende às suas necessidades. 

(Edição: Bernardo Barbosa)