Por que o álcool em gel ficou grudento desde o início da pandemia de Covid-19?


Anna Satie, da CNN em São Paulo
21 de julho de 2020 às 19:10 | Atualizado 22 de julho de 2020 às 13:00

Você já usou um álcool em gel que deixou suas mãos pegajosas, como se fosse uma cola? O motivo é o carbopol — ou a falta dele.

Esta substância é usada para dar a característica de gel ao álcool líquido. No entanto, com a pandemia do novo coronavírus, o aumento inesperado na demanda causou escassez do produto em todo o mundo.

Para contornar esse problema, alguns fabricantes adotaram outros espessantes.

"Esses outros agentes podem não ser os mais adequados, e fazem com que fique essa sensação de que foi formado um filme sobre a pele", explica o professor Felipe Rebello Lourenço, da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da USP (Universidade de São Paulo).

Leia também:

Por que você não deve fazer álcool em gel em casa

Como lavar as mãos da forma correta e evitar o novo coronavírus

Algumas marcas atribuem o grude à adição de hidratantes, como o aloe vera. No entanto, o professor diz que, a não ser que seja utilizado em uma concentração inadequada, o que pega mesmo é o carbopol. "É ele que dá a propriedade gelificante", diz Lourenço.

No entanto, a textura não prejudica a eficácia — a princípio.

"Se a formulação fica com aspecto muito pegajoso e, logo em seguida, você encosta em alguma coisa, a sujeira vai grudar na sua mão. No fim das contas, não ajuda em muita coisa. Não porque não é eficaz, mas porque a sujeira pode aderir novamente à mão e fazer com que você se recontamine", alerta o professor.

Logo, a textura incomum não é indicativo de que o álcool em gel é caseiro ou clandestino.

"Isso não significa que ele é falsificado ou adulterado. Pode ser um produto fabricado dentro de todas as normas, atendendo todos os requisitos de segurança, mas por questão de formulação, ele fica com essa característica", explicou.