Paraná e Rússia firmam parceria para vacina contra Covid-19


Murillo Ferrari, da CNN, em São Paulo, e Iara Maggioni, da CNN, em Curitiba
12 de agosto de 2020 às 15:15 | Atualizado 12 de agosto de 2020 às 17:28

O governo do Paraná assinou nesta quarta-feira (12) um memorando de entendimento com a Rússia para testar e produzir a vacina Sputnik V, a primeira registrada contra o novo coronavírus. O documento serve como primeiro passo para a formalização de um documento jurídico para tratar da colaboração. 

A possibilidade de assinatura deste acordo havia sido confirmada à CNN na terça-feira (11) pelo presidente do Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar), Jorge Callado, e também pela embaixada da Rússia no Brasil.

A assinatura do memorando entre as partes foi consolidada em uma reunião entre o embaixador russo no Brasil, Sergey Akopov, o governador do Paraná, Ratinho Junior (PSD) e autoridades do Ministério da Saúde.

Assista e leia também:

Embaixada da Rússia diz que negocia produção de vacina com governo da Bahia
Laboratório russo não pediu registro de vacina de Covid-19 no Brasil, diz Anvisa

A parceria prevê a testagem da vacina russa em território paranaense, mas para isso primeiro será preciso obter autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). A Rússia diz que iniciou a fase 3 dos testes clínicos da vacina, cujo objetivo é verificar a segurança e a eficácia do medicamento.

Rússia e Paraná também devem fechar parceria para produção de vacina. A transferência de tecnologia acontece por parte do governo russo e a produção será feita no Tecpar, que já tem parceria com a Fiocruz e o Instituto de Biologia Molecular do Paraná (IBMP).

No cenário mais otimista, autoridades do estado dizem que a vacina pode estar disponível para a população a partir do primeiro semestre de 2021.

Infográfico vacina russa

Infográfico: Como funciona a vacina russa contra a Covid-19

Foto: CNN