Ministério da Saúde aceitou pedido de apoio para coronavac, diz secretário de SP

Jean Gorinchteyn, secretário de Saúde de São Paulo, ressaltou que a vacina é para o Brasil e que estado e Governo Federal já discutem os termos da ajuda

Da CNN, em São Paulo
26 de agosto de 2020 às 17:15
Equipe do Ministério da Saúde visita Butantan nesta quinta-feira
Foto: Reprodução/CNN

Desde o início da semana, o governo do estado de São Paulo vem fazendo acenos ao Governo Federal para que o Planalto envie ajuda financeira ao Instituto Butantan para a produção de vacinas e a ampliação da fábrica que irá produzir os medicamentos.

Nesta quarta-feira (26) o ministro da Saúde Eduardo Pazuello visitou o instituto e, segundo Jean Gorinchteyn, secretário de Saúde de São Paulo, o ministério atendeu o pedido de ajuda.

“A coronavac é uma vacina eficaz na produção de anticorpos. Dessa maneira, pedimos a parceria para o Ministério da Saúde, e o apoio foi acatado. O que estamos fazendo é delinear de que forma os recursos vão ser promovidos para o Instituto Butantan. Neste momento acontece uma reunião para tratar de valores.”

Gorinchteyn disse que o pedido do estado de São Paulo foi feito em três partes, sendo duas já enviadas ao ministério e uma terceira que chegará em Brasília na próxima semana.

Leia também

Brasil completa seis meses da confirmação do 1º caso do novo coronavírus

'Não é motivo para pânico', diz microbiologista sobre reinfecção por Covid-19

Visão Responde: Infectologista explica possibilidade de reinfecção por Covid-19

Jean Gorinchteyn, secretário de Saúde de São Paulo
Foto: CNN (26.ago.2020)

“Foram enviados dois ofícios onde se pede apoio de recursos. O primeiro é para finalizar os estudos clínicos da vacina e o segundo ofício é para que haja condição de apoio para o término e conclusão da ampliação de uma instalação que será a sede da fábrica da vacina no Butantan.”

“Há um terceiro ofício, que será tratado na próxima semana, onde definiremos valores unitários das doses assim como a tratativa da aquisição de pelo menos 100 milhões de doses da vacina.”

Ele destaca que a vacina não é de São Paulo ou da China, mas do Brasil inteiro e faz o alerta que nem o Instituto Butantan sozinho e nem a Fiocruz sozinha conseguirão imunizar toda a população, por isso o apelo para ajuda ao estado.

(Edição: Sinara Peixoto)