Após acordo com a Rússia, governador da BA critica politização de vacinas

'Não acho que políticos -- governador, presidente, deputado, senador -- são as autoridades maiores para emitir a opinião científica', disse Rui Costa à CNN

Guilherme Venaglia, da CNN, em São Paulo
09 de setembro de 2020 às 19:56 | Atualizado 09 de setembro de 2020 às 20:24

A Bahia se tornou o segundo estado brasileiro a fechar acordo com o governo da Rússia para testar no país a Sputnik V, vacina desenvolvida por russos com a promessa de proteção para a Covid-19. Antes, o Paraná também havia fechado um acerto do mesmo tipo.

Apesar do anúncio, o governador da Bahia, Rui Costa (PT), afirmou à CNN que não tem predileção por nenhum projeto de imunização e criticou a interferência política nos estudos para confirmação da eficácia de uma vacina.

"Eu confio na ciência, na medicina e nos especialistas brasileiros. São eles que vão validar ou não o estudo. Não acho que políticos – governador, presidente, deputado, senador – são as autoridades maiores para emitir a opinião científica", disse o governador, em entrevista aos âncoras Monalisa Perrone e Caio Junqueira.

Costa ponderou que a Bahia também está sediando testes do laboratório americano Pfizer.

O acordo com os russos inclui o recebimento de documentos técnicos da Sputnik V, que serão analisados pelo governo e submetidos à análise da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). Caso a Anvisa autorize os testes, o governo da Bahia recrutará 500 voluntários para receber a imunização no Hospital Couto Maia.

Assista e leia também:

Bahia anuncia acordo para testar vacina russa contra Covid-19

Sputnik V: Vacina entra hoje na fase 3 de testes, diz ministro da saúde russo

1º lote para uso civil da vacina Sputnik V passa em testes da vigilância russa

Rui Costa (PT), governador da Bahia
Foto: CNN (09.set.2020)

Rui Costa disse não saber se o acordo foi feito nos mesmos termos do que a Rússia fechou com a gestão do governador do Paraná, Ratinho Júnior (PSD).

Com os testes suspensos após um voluntário registrar uma reação negativa, a vacina da farmacêutica AstraZeneca e da Universidade de Oxford é analisada no Brasil em parceria com o governo federal, através da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

Já a Coronavac, desenvolvida pela chinesa Sinovac Biotech, é testada em parceria com o Governo de São Paulo, por meio do Instituto Butantan.