Instituto Emílio Ribas funcionará aos sábados para acelerar testes com Coronavac

O Emílio Ribas, em São Paulo, é um dos 12 centros de estudo da vacina Coronavac no Brasil

Da CNN
11 de setembro de 2020 às 12:40

O centro de estudos sobre a Coronavac no Instituto de Infectologia Emílio Ribas, em São Paulo, vai passar a funcionar aos sábados e já abre a partir de amanhã (12). O objetivo é aplicar mais doses da potencial vacina e monitorar todos os voluntários participantes. 

Foram enviadas 852 doses para o Brasil. No entanto, até o momento, somente 250 foram aplicadas, então a ação visa aumentar a capacidade do estudo com a vacina chinesa, que está sendo testada no Brasil em parceria com o Instituto Butantan. 

Leia e assista também:

Suspensão de testes não compromete estudo com Coronavac, afirma Dimas Covas
Governo de São Paulo discute com Anvisa uso emergencial da coronavac
Coronavac: mais de 850 voluntários recebem 1ª dose até a próxima semana no PR

Pesquisadores da Coronavac, a vacina chinesa, fazem procedimentos em laboratório
Foto: CNN (11.set.2020)

O Emílio Ribas é um dos 12 centros de estudo da Coronavac no Brasil. À CNN, o diretor do Instituto Butantan Dimas Covas, afirmou, nessa quarta-feira (9), que "tudo indica que a vacina é eficaz" contra a doença.

"Não tem organismo vivo na vacina. Ela não causa nenhuma infecção, diferente de outras que são baseadas em vírus atenuado ou em vetores virais, como essa de Oxford", disse ele. 

Covas reafirmou que o cronograma para a Coronavac está mantido, com previsão para os primeiros resultados disponíveis já a partir da segunda quinzena de outubro e a entrega de 45 milhões de doses até o final do ano.

"Acredito que até o final do ano será registrada e estará disponível ao Ministério de Saúde em janeiro", disse ele.

(Edição: Marina Motomura)