Identificar sintomáticos ajuda a evitar contágio da Covid-19 em aviões

Infectologista Alexandre NaimeBarbosa também falou sobre quais cuidados tomar para garantir uma viagem segura

Da CNN, em São Paulo
14 de setembro de 2020 às 17:41 | Atualizado 14 de setembro de 2020 às 17:42

Especialistas sugerem que as chances de contrair a Covid-19 em uma viagem de avião são pequenas. Cientistas recorreram a modelos matemáticos e casos documentados de transmissão em aeronaves para chegar a essa conclusão.

Em entrevista à CNN, o infectologista Alexandre Naime Barbosa, explica que existe uma série de variáveis a serem avaliadas antes de entrar em um avião.

A mais importante delas, segundo ele, é saber se as pessoas que vão embarcar estão sintomáticas ou não. Isso porque os assintomáticos, ou seja, aqueles que não apresentam nenhum sintoma, transmitem muito menos a doença do que aqueles que desenvolvem os sinais.  

“Então, uma boa checagem dos sintomas, inclusive de temperatura, pode ajudar bastante para evitar a transmissão durante os voos”, avaliou.

Assista e leia também:

Chances de pegar Covid-19 em avião são menores do que se pensa, dizem cientistas

Por que diabetes aumenta riscos em caso de Covid-19? Endocrinologista explica

OMS relata maior aumento diário de casos de Covid-19 desde início da pandemia

O infectologista Alexandre Naime Barbosa
Foto: CNN (14.set.2020)

Barbosa também falou sobre quais cuidados tomar para garantir uma viagem segura.

O uso de máscara constante e a higiene frequente são essenciais. Mas é importante adotar também o distanciamento dentro da aeronave – quanto menos lotado estiver o voo, menor a chance de transmissão do novo coronavírus.

O infectologista tranquilizou ainda quem precisa viajar: nos aviões mais modernos existe uma constante troca de ar e filtros que impedem a transmissão de aerossóis, isto é, partículas infecciosas que ficam suspensas no ar.

“Se a gente seguir as precauções, usar a máscara, fizer o distanciamento no voo, e tiver uma higiene frequente, vamos diminuir o risco e, talvez, transformar essa atividade que nos parece muito perigosa em algo controlado”, concluiu ele.