Número de casos de gripe comum é o menor desde 2015, aponta Fiocruz


Da CNN
25 de setembro de 2020 às 07:47

Na contramão da Covid-19, o número de casos de Influenza, que é o vírus da gripe comum, é o menor registrado desde 2015, entre os meses de janeiro e agosto. 

Os dados são de um estudo feito pelo grupo de pesquisa da InfoGripe, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), com base em dados do Ministério da Saúde, que ainda apontou que o índice tem relação com a prevenção do novo coronavírus.

O levantamento apontou que, neste período, foram registrados 1.814 casos de gripe comum contra 5.417 na mesma época de 2019. Em 2018, foram mais de 6,5 mil casos registrados. 

Leia e assista também:
É possível ter gripe e Covid-19 simultaneamente, entenda o que ocorre no corpo
Durante pandemia, vacinação contra gripe ganha importância na Europa e nos EUA
É gripe ou Covid-19? Pneumologista explica sintomas de cada doença

vacinação gripe

Aplicação de vacina contra gripe comum

Foto: Marcelo Camargo/ Agência Brasil

Desde 2015, o ano que registrou a maior incidência de casos de gripe foi 2016, com quase 10 mil diagnósticos.

Ainda de acordo com o estudo, o surto deste ano ocorreu mais cedo do que nos anteriores – no início de março. Desde abril, o número de casos é considerado estabilizado.

À CNN, o coordenador do Infogripe, Marcelo Gomes, explicou, nesta sexta-feira (25), que a queda tem relação com as medidas de prevenção contra o novo coronavírus – como uso de máscara e distanciamento social.

"Quando, em meados de março, se estabeleceu a transmissão comunitária da Covid-19 no Brasil e começaram as ações fortes de distanciamento com uma adesão muito boa por parte da população, isso fez com que o vírus Influenza praticamente parasse de circular", afirmou. 

De acordo com Gomes, como os demais tipos de Influenza não são tão altamente transmissíveis como o novo coronavírus, "tudo o que fizemos para tentar evitar frear a Covid-19 foi muito mais eficaz para frear os demais vírus da Influenza".

"E isso ajudou, pelo menos, a preservar um pouco dos nossos recursos hospitalares para atender a população afetada pela Covid-19", concluiu o pesquisador.