'Vacina segura e eficaz só em meados de 2021', diz vice-diretora geral da OMS


Da CNN
29 de setembro de 2020 às 09:35

Em entrevista à CNN, a doutora Mariângela Simão, vice-diretora geral da área de Medicamentos, Vacinas e Produtos Farmacêuticos da OMS (Organização Mundial da Saúde), afirmou, nesta terça-feira (29), que uma vacina segura e eficaz contra a Covid-19 só deve ficar disponível em "meados do ano que vem" e será "escassa".

"Ter uma vacina é uma das grandes esperanças do mundo. Nenhum dos nove candidatos de vacina, que estão em fase 3, terminaram os estudos. Talvez um ou dois terminem até o final do ano, mas isso ainda não é certeza", afirmou ela.

"Então, não é assim que acontece com notícias de que vacina vai chegar em outubro e estarão começando a vacinar. É extremamente importante o término da fase 3, que é onde se vê eficácia e segurança. Só pode entrar no mercado com essa comprovação na última fase", acrescentou.

Leia e assista também:
Belarus recebe lote da vacina russa Sputnik V para realizar testes clínicos
Secretário de Saúde de SP descarta vacinar contra Covid-19 antes de dezembro
Bolsonaro libera R$ 2,5 bi para aderir ao consórcio de vacinas da OMS

Seringa de vacina

A vacina contra a Covid-19 é aguardada em todo o mundo

Foto: Pixabay

Além disso, Mariângela ainda pontuou que "a vacina vai ser escassa no ano que vem". "Não vai ter vacina para o mundo todo nem todo mundo em todos os países", disse. "Vai ser uma vacinação de grupos prioritários – quem tem mais risco de morrer, idosos ou com alguma doença associada", detalhou.

Mariângela classificou como "boa notícia" a entrada do Brasil na Covax, aliança global da OMS para vacinas contra a Covid-19. O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) assinou duas medidas provisórias com a liberação de R$ 2,5 bilhões.

Com esse cenário de espera pela imunização, a diretora-geral da OMS frisou que as medidas de prevenção ao novo coronavírus – como uso de máscara, distanciamento e álcool gel – ainda serão mantidas por algum tempo.

"Vamos conviver com isso por muitos meses ainda. Estamos aprendendo a medida que vamos levando esse ano difícil para todos nós. Não acabou", avaliou.

(Edição: André Rigue)