Correspondente Médico: Como funciona a terceira fase de testes da Coronavac?

Médico explica etapas da imunização contra a Covid-19

Da CNN
16 de outubro de 2020 às 10:12

Na próxima segunda-feira (19), serão divulgados os resultados preliminares da fase 3 da vacina Coronavac. A fase de testes em humanos é coordenada pela chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantan, em São Paulo.

As informações também serão encaminhadas para a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), visando a celeridade do registro da vacina. Segundo o instituto, cerca de 9 mil voluntários já foram vacinados. A primeira fase de testes clínicos da Coronavac no Brasil deve terminar na tarde desta sexta-feira (16) 

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), afirmou, em entrevista exclusiva à CNN Rádio, que irá pessoalmente ao Ministério da Saúde e à Anvisa para cobrar o registro e o apoio para distribuição nacional da Coronavac.

Na edição desta sexta-feira (16) do quadro Correspondente Médico, do Novo Dia, o neurocirurgião Fernando Gomes avaliou a importância da vacinação e quais são as etapas da imunização contra a Covid-19.

"Depois que são feitos os testes em laboratórios e em animais, passamos para as fases de testes em humanos. A partir dela temos três fases e a última fase de aplicação e distribuição. Na primeira fase, investigamos se haverá efeitos colaterais que seriam proíbitivos para seguir em diante".

Leia também:

Suspensões de testes, reinfecções e os novos desafios no tratamento da Covid-19

Doença em participante faz Johnson paralisar estudo da vacina contra a Covid-19

Por que uma vacina não vai acabar com a pandemia de Covid-19 imediatamente?

Correspondente Médico: Como funciona a terceira fase de testes da Coronavac?
Foto: CNN

E continuou: "Em seguida, verificamos se o efeito esperado tem sentido e se interfere na imunidade, e, por último, avaliamos a eficácia do medicamento. Portanto, é muito importante o resultado que teremos em breve". 

De acordo com o médico, "apenas se os números forem muito pequenos" irá impedir o prosseguimento do estudo para a última fase, a de aplicação na população.  

"Estes resultados [negativos] muito provavelmente não vai acontecer, conforme o que já acompanhamos na fase dois, que de fato ela tem interferência no sistema imune. Todo racional teórico no qual ela foi montada, foi muito bem estruturado. Portanto, provavelmente teremos acesso a números muito interessantes, que vão justificar o passo seguinte, que será aplicar em toda a população", explica.

"Por isso a pesquisa científica só termina quando a conclusão é feita, toda metodologia é avaliada e os dados são avaliados estatisticamente. Como estamos em uma pandemia, qualquer passo e novidade acaba tendo uma relevância muito grande". 

(Edição: André Rigue)