Adultos não devem ser obrigados a se vacinar, diz ex-presidente da Anvisa

Gonzalo Vecina disse que a vacina coronavac deverá ser aprovada antes da de Oxford por não ter tido seus testes interrompidos

Da CNN, em São Paulo
20 de outubro de 2020 às 00:23

Com a discussão sobre a obrigatoriedade ou não de tomar uma vacina contra a Covid-19 quando houver um imunizante aprovado, a CNN entrevistou, nesta segunda-feira (19), o ex-presidente da Anvisa e sanitarista, Gonzalo Vecina, que disse que o medicamento não deveria ser obrigatório para adultos.

“A vacina não deve ser obrigatória para adultos.O governo tem a obrigação de explicar que é a vacina é segura e que produzirá imunidade, e as pessoas que quiserem, vão tomar. Mas, como no caso da vacina da gripe, há cerca de 10% ou 15% das pessoas escolhem não tomar por diversos motivos.”

Leia também

Técnicos do Instituto Butantan vão a Brasília levar dossiê sobre Coronavac

Ciência tem seu tempo e não respeita vontade de governantes, diz diretor da SBIm

184 países já assinaram consórcio de vacinas para a Covid-19, afirma OMS

Vecina também falou sobre o atual estágio de desenvolvimento das vacinas contra o novo coronavírus. Ele diz acompanhar mais de perto as pesquisas da Coronavac e da AstraZeneca / Oxford e que o fato da pesquisa do medicamento chinês não ter sido interrompido pode fazer com que ela seja aprovada mais rapidamente.

“Provavelmente a Coronavac estará à disposição mais rapidamente por não ter tido seus testes interrompidos. Até o final deste ano ou início do ano que vem estaremos recebendo as primeiras doses da vacina.”

(Edição de Diego Freire)