'Não será comprada', diz Bolsonaro nas redes sobre vacina Coronavac

Afirmação sobre o assunto foi feita em resposta ao comentário de uma pessoa no Facebook

Da CNN, em São Paulo
21 de outubro de 2020 às 08:04 | Atualizado 21 de outubro de 2020 às 09:51
O presidente Jair Bolsonaro (sem partido)
O presidente Jair Bolsonaro
Foto: Reprodução - 19.out.2020 / CNN

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse nesta quarta-feira (21) que a vacina Coronavac, produzida pelo laboratório chinês Sinovac em parceria com o Instituto Butantan, em São Paulo, não será comprada pelo governo federal. A afirmação foi feita em resposta ao comentário de uma pessoa no Facebook.

"Presidente, a China é uma ditadura, não compre essa vacina, por favor. Eu só tenho 17 anos e quero ter um futuro, mas sem interferência da ditadura chinesa", escreveu o indivíduo. Bolsonaro respondeu: "Não será comprada."

Assista e leia também:
Brasileiros confiam menos em vacina da China do que nas de outros países
Coronavac deve ser comprada pela Saúde se for registrada antes pela Anvisa

Comentário do presidente no Facebook
Comentário do presidente no Facebook
Foto: Reprodução - 21.out.2020 / Jair Bolsonaro via Facebook 

O comentário sobre a China foi feito em uma publicação de Bolsonaro na rede social sobre a visita do conselheiro de segurança dos Estados Unidos, Robert O'Brien, e representantes da Casa Branca a Brasília. De acordo com o presidente, foram assinados "três acordos que vão intensificar ainda mais nossas relações comerciais e econômicas".

Obrigatoriedade da vacina

Nesta semana, Bolsonaro afirmou a apoiadores que a vacina contra o novo coronavírus "não será obrigatória e ponto final", e voltou a criticar o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), que defende a obrigatoriedade da dose. 

"O Programa Nacional da Vacinação, incluindo as vacinas obrigatórias, é de 1975. A lei atual incluiu a questão da pandemia. Mas a lei é bem clara e quem define isso é o Ministério da Saúde. O meu ministro da Saúde [Eduardo Pazuello] já disse, claramente, que não será obrigatório esta vacina e ponto final", enfatizou o presidente.

Assista e leia também:
Doria e Pazuello conversam por telefone sobre apoio a Coronavac
O Grande Debate: Vacina contra Covid-19 deve ou não ser obrigatória?

Coronavac

De acordo com a gestão Doria, a Coronavac teve os menores índices de reações em comparação a outros imunizantes contra a Covid-19. O diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, informou que o sintoma mais frequente nos testes com 9 mil voluntários brasileiros foi dor no local da aplicação, relatada por 18% das pessoas testadas.

A primeira fase de testes clínicos da Coronavac no Brasil terminou na sexta-feira (16), apontando pouco mais de 5% de efeitos colaterais entre quem recebeu a vacina.

Surpresa


Segundo o analista Igor Gadelha, a declaração surpreendeu auxiliares do ministro da Saúde, que davam como certa a compra das 46 milhões de doses da vacina chinesa, como a pasta anunciou nesta terça-feira (20).

Auxiliares de Pazuello no Ministério da Saúde já entraram em contato com ministros e auxiliares presidenciais do Palácio do Planalto para tentar entender o que houve.

Governadores que se reuniram com Pazuello na terça também disseram à CNN terem sido surpreendidos com as postagens de Bolsonaro. Argumentam que ontem o ministro deu como certa a compra das doses.

(Edição: André Rigue)