Correspondente Médico: Como explicar sintomas persistentes da Covid-19?

Fernando Gomes explica o motivo de pacientes curados terem sintomas por semanas

Da CNN
23 de outubro de 2020 às 10:39


 

Um novo estudo feito pelo King's College London, no Reino Unido, identificou as pessoas com o maior risco de desenvolver a “Covid longa”. Esta é a denominação quando os sintomas persistem, por até oito semanas, mesmo quando o paciente está curado da doença.

Na edição desta sexta-feira (23) do quadro Correspondente Médico, do Novo Dia, o neurocirurgião Fernando Gomes explicou como é possível um paciente já curado da doença, ainda ter alguns sintomas da Covid-19.

"[Nestes casos] existiu a manifestação clínica da doença, que deve variar em duas semanas e em casos mais graves, em até quatro. Depois disso, ainda existe a descrição e apresentação de sintomas que se referem ao novo coronavírus", iniciou o médico. 

Ao explicar o motivo para a persistência, Fernando Gomes relembrou os sintomas mais comuns do novo coronavírus como dores de cabeça e muscular, cansaço tosse e dificuldade para respirar. Mas, segundo ele, é normal que em momento de recuperação, alguns sintomas poderão existir. 

Leia também:
Laboratório no Distrito Federal recebe insumos para produção da vacina russa
Vacina de Oxford terá insumos farmacêuticos da China, diz presidente da Anvisa
Brasil confirma mais 24.858 novos casos de Covid-19 e 497 mortes em 24 h

Correspondente Médico: Como explicar sintomas persistentes da Covid-19?
Correspondente Médico: Como explicar sintomas persistentes da Covid-19?
Foto: Reprodução/ CNN

"A gente sabe que existe o papel do vírus dentro das próprias células e o processo inflamatório, que acaba ressaltando o que a pessoa veio a sentir. Quando a gente fala de fase de convalescença, momento de recuperação, é de se esperar que alguns sintomas venham a aparecer".

Dos sintomas persistentes e mais comuns, na avaliação do médico, está a dor de cabeça e a fadiga crônica.

"Entre os sintomas persistentes, por exemplo, a pessoa tinha um padrão de dor de cabeça que se modificou após o vírus. Ou então, o cansaço se torna algo crônico, o que tem sido observado entre as queixas (...) Não é algo diferente ou novo que já não seja esperado", explica. 

E finaliza: "Se o quadro for muito grave, a persistência da Covid-19 pode ser maior. (...) Precisamos de mais tempo para entender se existe o impacto, a longo prazo, desta doença".

(Edição: André Rigue)