Anvisa responde ao STF que segue rito técnico 

A manifestação chega um dia antes do fim do prazo. O ministro Ricardo Lewandowski havia fixado 48 horas, que se encerrariam nesta quinta-feira (12)

Basília Rodrigues
Por Basília Rodrigues, CNN  
11 de novembro de 2020 às 20:25 | Atualizado 11 de novembro de 2020 às 20:48

 

Alvo de críticas, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) encaminhou explicações ao Supremo Tribunal Federal sobre quais critérios adota em suas decisões.

A manifestação chega um dia antes do fim do prazo. O ministro Ricardo Lewandowski havia fixado 48 horas, que se encerrariam nesta quinta-feira (12), para a Anvisa se manifestar.

Assista e leia também

Exclusivo: Acordo define que Butantan custeia Coronavac, mas sem propriedade intelectual

Por que uma vacina não vai acabar com a pandemia de Covid-19 imediatamente?

Pela documentação enviada ao STF, a Anvisa afirma que as medidas em curso, adotadas pela agência acerca do desenvolvimento de todas as vacinas em estudo no país, seguem rigorosamente o rito técnico e científico previsto em protocolos internacionais e no regulamento em vigor no órgão.

Mais cedo, a agência liberou a retomada da vacinação em voluntários da Coronavac. A suspensão colocou a Anvisa no centro de uma polêmica por envolver um "evento adverso grave" sem relação direta com a vacinação.

O voluntário que morreu cometeu suicídio. A agência argumentou que havia recebido informações incompletas das autoridades do governo paulista.

Em nota encaminhada à coluna, a Anvisa diz que age "com observância da isonomia, da imparcialidade e especialmente dos preceitos de confidencialidade, que são princípios e valores fundamentais seguidos pela Agência no seu compromisso com a população brasileira de atestar a qualidade dos dados dos estudos clínicos e a segurança dos voluntários".