Dimas Covas sobre decisão da Anvisa: ‘Compreendeu nossos argumentos’

Diretor do Instituto Butantan destacou como 'excelente' a decisão da Agência Nacional de Vigilância Sanitária de permitir a volta do teste com a vacina chinesa

André Rigue, da CNN, em São Paulo
11 de novembro de 2020 às 12:54 | Atualizado 11 de novembro de 2020 às 13:03
Profissional de saúde segura caixa da Coronavac, vacina contra Covid-19 da chinesa Sinovac
Foto: Diego Vara - 8.ago.2020/ Reuters

O diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, destacou como “excelente” a decisão da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que liberou nesta quarta-feira (11) a retomada dos testes com a Coronavac, vacina chinesa contra a Covid-19.

“Isso vem ao encontro com o que temos afirmado que essa é uma das vacinas mais seguras que está em desenvolvimento nesse momento. A Anvisa compreendeu nossos argumentos. O óbito referido não tem relação com a vacina e, portanto, o estudo pode ser retomado”, afirmou em comunicado.

Leia também:
Vacinas: qual a diferença entre 'evento adverso grave' e 'efeito adverso grave'?
Conexão CNN: Após declaração de Bolsonaro, redes sociais se voltam contra Anvisa

O Instituto Butantan produzirá a vacina em parceria com a empresa chinesa Sinovac. O governo de São Paulo espera pela chegada das primeiras doses no próximo dia 20.

“Esperamos nesse momento andar com esse processo o mais rapidamente possível, pois sabemos que um dia com vacina faz diferença. Nós precisamos dessa vacina o quanto antes e por isso a nossa urgência na finalização desse estudo. Então agradeço à nossa Anvisa pela compreensão e pela rapidez com que foi autorizada a retomada dos estudos clínicos”, afirmou Dimas Covas.

Os testes com a Coronavac foram suspensos após a Anvisa relatar um “evento adverso grave”. A CNN confirmou que um voluntário do estudo morreu após cometer suicídio. A Anvisa analisou nesta quarta os dados fornecidos pelo Butantan e por um comitê internacional e disse ter “subsídios suficientes para permitir a retomada da vacinação”.