Mutação do novo coronavírus se espalha mais facilmente, mas é menos perigosa

Segundo pesquisadores, nova cepa deve ser tão vulnerável à resposta imunológica do corpo quanto a outra

Da CNN
13 de novembro de 2020 às 07:07 | Atualizado 13 de novembro de 2020 às 07:56
Representação gráfica do novo coronavírus, causador da Covid-19
Foto: Gerd Altmann / Pixabay

Pesquisadores afirmaram que encontraram mais evidências de que uma versão mutante do novo coronavírus que está se espalhando pelo mundo é mais fácil de ser transmitida, mas não parece ser mais perigosa.

Além disso, como não mudou a forma física, essa nova cepa deve ser tão vulnerável à resposta imunológica do corpo – seja natural ou induzida por vacina – quanto a outra.

Assista e leia também: 
Mutação do novo coronavírus se espalha pela Europa e chega a 12 países
Mutação de coronavírus pode afetar vacinas? Entenda a crise dos visons
Correspondente Médico: Qual a capacidade de sobrevivência do coronavírus?

Cientistas falam sobre essa variação, chamada D614G, desde abril. A equipe de pesquisadores testou a nova cepa em animais de laboratório e placas contendo células que revestem o trato respiratório humano.

“A variante apresenta infecção, resposta e aptidão competitiva mais eficientes em células epiteliais das vias aéreas humanas primárias”, escreveram eles.

As descobertas validam estudos anteriores que mostram que a nova cepa se espalha mais facilmente e corroboram as evidências de que a mudança não aumentou as chances de o vírus causar doenças severas.

O que a mutação pode fazer é ajudar o vírus a se desenvolver melhor no nariz e no trato respiratório superior, algo que o ajudaria a se espalhar entre as pessoas.

(Com informações de Maggie Fox, da CNN, em Atlanta)