Pessoas com 'alergias significativas' não devem se vacinar, diz Reino Unido

Duas reações alérgicas foram relatadas no primeiro dia do lançamento da vacina da Pfizer contra a Covid-19 no Reino Unido

Sharon Braithwaite e Amy Cassidy, da CNN
09 de dezembro de 2020 às 08:23 | Atualizado 09 de dezembro de 2020 às 09:05


Duas reações alérgicas foram relatadas após o primeiro dia de vacinação contra a Covid-19 no Reino Unido com o imunizante da Pfizer/BioNTech, disse o chefe da agência reguladora de medicamentos britânico nesta quarta-feira (9). Por este motivo, autoridades inglesas de saúde decidiram aconselhar pessoas com "histórico significativo de reações alérgicas" a não tomar a vacina.

“Como é comum com as novas vacinas, a MHRA [Agência Reguladora de Medicamentos e Produtos de Saúde] avisou, por precaução, que pessoas com histórico significativo de reações alérgicas não recebam esta vacina depois que duas pessoas com histórico de reações alérgicas significativas responderam negativamente ontem [terça-feira, 8]”, informou Stephen Powis, o diretor médico do Serviço Nacional de Saúde (NHS) da Inglaterra.

Leia também:
Idosa não acreditou que seria 1ª vacinada no Reino Unido: 'Achava que era piada'
Os próximos passos da vacina da Pfizer após o começo da vacinação no Reino Unido
'Eficácia da vacina da Pfizer já temos, agora vamos ver efetividade', diz médica

O Reino Unido se tornou a primeira nação do mundo a começar a vacinar seus cidadãos com uma vacina totalmente aprovada e autorizada contra Covid-19, um momento marcante na pandemia do coronavírus. Idosos e profissionais de saúde têm prioridade na vacinação.

Os dois casos de reação alérgica foram registrados em profissionais de saúde que receberam a vacina. A MHRA é equivalente à Anvisa no Brasil.

Margaret Keenan, primeira pessoa no mundo a receber a vacina da Pfizer
Margaret Keenan foi a primeira pessoa no mundo a receber a vacina da Pfizer contra a Covid-19 fora dos testes clínicos
Foto: Divulgação - 08.dez.2020 / Serviço Nacional de Saúde do Reino Unido via Twitter

Na terça-feira, o primeiro-ministro Boris Johnson disse à mídia britânica que a vacina "gradualmente fará uma enorme, enorme diferença".

Os desafios logísticos de fabricação e distribuição de dezenas de milhões de vacinas significam que a implantação será gradual no território inglês.

Destaques do CNN Brasil Business
BMW a R$ 24 mil e Pajero a R$ 26 mil: Santander faz leilão de carros na quinta
Ar-condicionado 'inteligente' não faz vento e promete gastar 82% menos energia
Luxo brasileiro: Vivara e Restoque estão entre as 100 maiores do setor no mundo

Ilustração de vacina contra Covid-19 da Pfizer
Vacina da Pfizer contra o novo coronavírus
Foto: Saulo Angelo/Futura Press/Estadão Conteúdo 

Vacina da Pfizer
O imunizante da Pfizer/BioNTech deve ser mantido a -70ºC, uma temperatura que só pode ser atingida em congeladores especiais. Assim que for retirado, deve ser refrigerado e utilizado em até cinco dias. Os lotes só podem ser colocados em pacotes menores por vezes limitadas e sob condições rigorosas. Assim que um frasco é diluído para ser injetado, ele não pode mais ser transportado e deve ser aplicado em até seis horas, ou descartado.

Primeira a ser vacinada
A britânica Margaret Keenan, de 90 anos, demorou a acreditar que tinha sido escolhida para se tornar a primeira pessoa vacinada contra a Covid-19 no Reino Unido. Ela recebeu o imunizante da Pfizer/BioNTech em um hospital em Coventry, no centro da Inglaterra.

"Foi bom, eu não estava nervosa de jeito nenhum. Eu achava que era uma piada no início, para dizer a verdade. Eu não conseguia acreditar", relatou a idosa, que completa 91 anos na próxima semana.

(Com informações da Reuters)