São Paulo vai pedir uso emergencial da Coronavac até a próxima terça-feira (15)

Coronavac enfrenta resistências políticas do governo federal

Basília Rodrigues
Por Basília Rodrigues, CNN  
09 de dezembro de 2020 às 14:29

 

O governo de São Paulo vai apresentar pedido de uso emergencial da vacina Coronavac à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) até terça-feira da semana que vem (15). Mais cedo, em entrevista à CNN, o ministro da Saúde Eduardo Pazuello considerou viável autorizar o uso da primeira vacina contra o coronavírus no Brasil ainda neste mês caso os fabricantes apresentem logo o pedido de autorização emergencial. Esse pedido poderá partir de qualquer laboratório, mas a Coronavac enfrenta resistências políticas do governo federal, porque é produzida pela chinesa Sinovac em parceria com o governo de João Dória.

Leia também

Meta de Ministério da Saúde é vacinar 90% do grupo prioritário

Vacina da Covid-19 é contraindicada para menores de 18 e gestantes, diz plano

Pazuello: 'Vacinação da Pfizer pode começar em dezembro ou janeiro'

CNN tem acesso exclusivo ao plano nacional de imunização

À coluna, João Gabardo, coordenador executivo do Centro de Contingência, disse esperar que a resposta seja rápida. "O Butantã espera que em 40 dias a Anvisa tenha tempo suficiente para o registro. Em paralelo, a solicitação de Uso Emergencial tem processo simplificado e menor tempo de análise", afirmou à CNN.

Junto com o pedido de uso temporário emergencial, irá a solicitação de registro definitivo. O governo de SP também irá apresentar informações sobre a fase 3 dos testes da Coronavac. Não há como pedir o uso sem submeter à Anvisa os dados desta fase dos testes. As vacinas entraram em uma nova fase de disputa: qual delas irá apresentar o pedido de uso emergencial primeiro?