Um quarto da população mundial não deve ser vacinada até 2022, estima estudo

Estudo americano constatou que metade das vacinas contra a Covid-19 foram encomendadas até aqui por países mais ricos que somam 14% da população mundial

Por Maggie Fox, da CNN
16 de dezembro de 2020 às 02:06 | Atualizado 16 de dezembro de 2020 às 02:09
Voluntário recebe dose em teste da potencial vacina contra Covid-19 Coronavac em Porto Alegre
Foto: Diego VAra/Reuters (8.ago.2020)


Cerca de metade todas as doses já compradas de vacinas contra o novo coronavírus foram adquiridas por países de alta renda como os EUA, Japão e Austrália, o que significa que até um quarto da população mundial não poderá ser vacinada até 2022, segundo estimaram pesquisadores em estudo divulgado nesta terça-feira (15).

Os países mais ricos pré-encomendaram cerca de 7,5 bilhões de doses de vacinas contra a Covid-19 - o suficiente para vacinar 3,76 bilhões de pessoas, segundo cálculo da equipe de Anthony So, da Escola de Saúde Pública Johns Hopkins Bloomberg, em Maryland, nos Estados Unidos. 

Leia também:
Promessas de solidariedade esquecidas: Países ricos dominam compra de vacinas

EUA: Golpistas aproveitam vacinação para roubar dados e vender tratamento falso

“Pouco mais da metade (51%) dessas doses irá para países de alta renda, que representam 14% da população mundial”, escreveram eles em seu relatório, publicado no periódico médico BMJ.

Na época em que o relatório foi escrito, os EUA respondiam por um quinto de todos os casos globais da Covid-19, mas haviam reservado 800 milhões de doses da vacina. Japão e Austrália foram responsáveis por menos de 1% dos casos, mas tinham opções de 1 bilhão de doses.

Os pesquisadores projetaram que os 13 principais fabricantes de vacinas que trabalham com imunizantes contra o novo coronavírus terão capacidade potencial para produzir cerca de 6 bilhões de doses até o final de 2021.

“Os países de alta renda reservaram pouco mais da metade dessas doses de vacina de 13 fabricantes líderes. Os países de renda baixa e média têm o restante, apesar de representarem mais de 85% da população mundial ”, escreveram.

Há um esforço que está tentando contornar esse problema - o Covax, coordenado pela Organização Mundial da Saúde (OMS), a iniciativa global de vacinas Gavi e a Coalition for Epidemic Preparedness Innovations (CEPI). O grupo está tentando aumentar a capacidade de fabricação de 2 bilhões de doses das vacinas.

“As iniciativas da Covax podem desempenhar um papel fundamental ao garantir o acesso às vacinas contra a Covid-19. No entanto, a meta de dois bilhões de doses até o final de 2021 ainda carece de compromissos do mercado e financiamento”, observou a equipe de So.