SP muda posição e diz que pedirá autorização para uso emergencial da Coronavac

Dimas Covas, diretor do Instituto Butantan, diz que pedido deve ser apresentado no próxima semana, junto com a requisição para uso definitivo do imunizante

Murillo Ferrari, da CNN, em São Paulo
17 de dezembro de 2020 às 13:28 | Atualizado 17 de dezembro de 2020 às 14:05
Dimas Covas (E), Jean Gorinchteyn e João Doria (D) seguram embalagens da Coronavac após chegada de doses do imunizante a São Paulo
Foto: Divulgação - 19.nov.2020/Governo de SP

O governo de São Paulo mudou de posição e afirmou nesta quinta-feira (18) que além do registro para uso definitivo pedirá à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) a autorização de uso emergencial da Coronavac.

“Nós declaramos que vamos fazer o pedido de registro na China e aqui no Brasil e vamos também dar entrada no pedido de [autorização] para uso emergencial aqui no Brasil”, afirmou o diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, em entrevista no Palácio dos Bandeirantes.

“Se fizermos isso na semana que vem, no dia 23, como está programado, significa que na primeira semana de janeiro poderemos ter uma manifestação da Anvisa. Ou seja, a partir de janeiro é possível que tenhamos autorização para uso da vacina”, completou.

Assista e leia também:
SP mantém vacinação em 25/1, apesar da intenção da Saúde de comprar a Coronavac
Ministério da Saúde vai adquirir vacina do Butantan ainda nesta semana
Doria diz que Butantan terminará fase 3 de estudo da Coronavac nesta semana

No começo de dezembro, em entrevista à CNN, o próprio Covas afirmou que não havia planos para pedir o uso emergencial da Coronavac

"Essa nova regulamentação da Anvisa é importante, mas o Butantan não vai se utilizar desse requisito. Vai fazer a solicitação de registro. Nós já estamos muito avançados nesse processo", afirmou, na ocasião. 

A autorização de uso emergencial permite a aplicação da vacina apenas em grupos específicos, não para a população em geral. Já o registro definitivo, feito depois de a segurança e eficácia serem estabelecidas com a publicação dos resultados finais da fase 3 de ensaios clínicos, permite a aplicação na população em geral.

Chegada de 2 milhões de doses

Na mesma entrevista, o governo paulista também informou que receberá na sexta-feira (18) mais 2 milhões de doses da Coronavac produzidas na China pela Sinovac.

“Com esse novo lote, SP passará a ter a partir de amanhã [sexta-feira] 3.120.000 doses da vacina do Butantan. Na próxima semana, receberemos os insumos para que o Instituto Butantan produza mais vacinas para atender mais brasileiros”, disse o governador João Doria (PSDB).

“E estaremos prontos para iniciar a imunização tão logo tenhamos o sinal verde da Anvisa ou da National Medical Products Administration (NMPA, em inglês), a agência chinesa de regulação de medicamentos”, completou o tucano.

Assista e leia também:
Daniela Lima: Coronavac pode ser principal ativo do Plano Nacional de Imunização
Guia: veja o andamento e as principais dúvidas sobre as vacinas contra Covid-19
Revolta da Vacina: semelhanças e diferenças no Brasil de 1904 e 2020

Sobre esse assunto, Dimas Covas disse que outros carregamentos da Coronavac chegarão até o final do ano, de forma que, em 15 de janeiro, o estado tenha 9 milhões de doses prontas para uso. “No começo de fevereiro,  teremos prontas para uso 22 milhões de doses e no início de março teremos prontas para uso 15 milhões de doses”, completou.

“Este foi o cronograma solicitado pelo Ministério da Saúde nesta semana. Recebemos uma nova correspondência reforçando o pedido feito em setembro e, na sequência, uma manifestação de que há interesse nessa vacina, desde que autorizada pela Anvisa”, disse o diretor do Butantan.