'Tem sido desenvolvida com cuidado', diz ex-presidente da Anvisa sobre Coronavac

Dirceu Barbano acredita que as questões políticas têm atrapalhado a questão da vacinação contra a Covid-19 no Brasil

da CNN, em São Paulo
24 de dezembro de 2020 às 08:57 | Atualizado 24 de dezembro de 2020 às 08:58


O farmacêutico e ex-presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) Dirceu Barbano acredita que as questões políticas têm atrapalhado a questão da vacinação contra a Covid-19 no país. Ainda assim, afirmou em entrevista à CNN que a Coronavac -- produzida pela chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantan -- está sendo desenvolvida com os cuidados que precisam ser tomados. 

“Esse é o problema de se colocar a política no meio de assuntos que a ciência deve resolver. Na medida em que há um interesse do governo de São Paulo em tratar politicamente da questão da vacinação, e divulgações por pessoas que não estão inseridas no contexto da pesquisa do desenvolvimento clínico dessa vacina, acabam gerando esse tipo de sentimento, ora dúvidas, ora insegurança”, disse.

“O que me parece importante é que de fato é uma vacina que tem sido desenvolvida com os cuidados que precisam ser tomados. O desenvolvimento clínico está em curso e, aparentemente, a Anvisa tem tomado medidas, um pouco atrasadas, mas importantes, para que essa avaliação seja feita da forma mais rápida possível, e para que as vacinas cheguem ao mercado o quanto antes”, prosseguiu.

Assista e leia também:
Retrospectiva: 2020 não foi só tragédia – relembre as boas notícias do ano
Brasileiros se adaptam para Natal na pandemia; veja como se proteger
Novo carregamento da Coronavac chega ao Aeroporto de Viracopos, em Campinas (SP)
Brasil proíbe voos do Reino Unido e restringe entrada por fronteiras terrestres

Caixas da Coronavac, vacina da farmacêutica Sinovac em conjunto com Instituto Butantan
Foto: Thomas Peter/Reuters (24.set.2020)
 

O ex-presidente da agência reguladora falou ainda que podemos, sim, confiar nas instituições que estão cuidando da produção de imunizantes contra o novo coronavírus, além dos técnicos da Anvisa, que foram os responsáveis por aprovar as mais de 40 vacinas que estão disponíveis hoje no Programa Nacional de Imunização (PNI).

Na quarta-feira (23), pela segunda vez, o governo de São Paulo e o Instituto Butantan adiaram a divulgação da eficácia da Coronavac, mas garantiram que ela tem o nível de eficácia exigido pela Anvisa.

A quarta remessa do imunizante chegou na manhã desta quinta-feira (24) ao Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas (SP). Este novo lote contém 5,5 milhões de doses.

(Publicado por: André Rigue)