Bolsonaro vai editar nova MP para destravar processo de aquisição de vacinas

Decisão foi tomada em uma reunião da qual ele participou nesta segunda-feira antes de viajar a Santos

Caio Junqueira
Por Caio Junqueira, CNN  
28 de dezembro de 2020 às 19:31 | Atualizado 28 de dezembro de 2020 às 19:59

 

 

O presidente Jair Bolsonaro vai editar uma Medida Provisória para tentar destravar o processo de aquisição de vacinas contra a coronavírus.

A decisão foi tomada em uma reunião da qual ele participou nesta segunda-feira antes de viajar a Santos. Participaram dela alguns ministros, dentre eles o da Saúde, Eduardo Pazuello.

A ideia é incluir nela os dispositivos legais que permitam ao governo fechar finalmente os acordos com as farmacêuticas. Por exemplo, no caso da Pfizer, colocar a previsão do termo de responsabilidade que ela exige. Na prática, um consentimento de quem for vacinado acerca de eventuais riscos colaterais da vacina emergencial.

Leia e assista também

Bolsonaro diz ter pressa por vacina e diz que ela não será obrigatória

Bolsonaro: 'Entre eu e a vacina tem a Anvisa, que alguns não querem respeitar'

O governo teve duas possibilidades de incluir esse dispositivo na legislação brasileira. A primeira, na MP que liberou R$ 20 bilhões para compra de vacinas, assinada por Bolsonaro no dia 17 de dezembro. O presidente, porém, temendo eventuais ações contra a União, não quis patrocinar sozinho a paternidade do dispositivo. A segunda, ao tentar incluir na MP 1003 que tratava de vacinas e que já tramitava no Congresso. Mas aí foram os parlamentares que rejeitaram a inclusão.

A solução agora é já na edição da nova MP dividir a responsabilidade com o Legislativo. A expectativa é a de que o texto saia na próxima semana.

No governo, a avaliação é a de que a Pfizer será usada apenas para o estarete da vacinação, mas que o maior volume de aquisições será do Instituto Butantan (Coronavac) e da Fiocruz (Astrazeneca).