AstraZeneca sinaliza à Anvisa que vai pedir uso emergencial de vacina no Brasil 

O pedido será feito por meio da Fiocruz, parceira da farmacêutica no país

Kenzô Machida, da CNN, em Brasília 
30 de dezembro de 2020 às 14:52 | Atualizado 30 de dezembro de 2020 às 16:01

 


Na manhã desta quarta-feira (30), a farmacêutica AstraZeneca fez uma reunião com a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), por videoconferência, para esclarecer dúvidas sobre o guia de uso emergencial da vacina contra a Covid-19. A farmacêutica deverá pedir, por meio da Fiocruz, o uso emergencial do imunizante no Brasil nos próximos dias. 

"O pedido será feito pela Fiocruz, que é o laboratório nacional parceiro da AstraZeneca no país para esta vacina. Segundo a empresa, não foi identificada dificuldade regulatória para atendimento aos requisitos da Anvisa, estabelecidos pelo Guia n. 42/2020, que trata dos requisitos mínimos para submissão de solicitação de autorização temporária de uso emergencial, em caráter experimental, de vacinas Covid-19", diz nota da Anvisa.

Leia e assista também

Covid-19: Farmacêutica pretende pedir uso emergencial da Sputnik V no Brasil

Fiocruz promete entregar até 15/01 documentos para registrar vacina de Oxford

Governo espera 2 milhões de doses da vacina de Oxford em janeiro

A Anvisa também informa que "o prazo para análise de uso emergencial é de até 10 dias, a partir da entrada do pedido formal na Agência. Este período pode ser menor, a depender da quantidade de pacotes de informação já entregues pelo laboratório para a Anvisa dentro do processo de Submissão Continua."

Esse foi o primeiro passo da farmacêutica AstraZeneca para dar início às tratativas do pedido de uso emergencial. De acordo uma fonte ouvida pela CNN, a AstraZeneca disse no encontro que vai solicitar uma nova reunião para formalizar o pedido oficial de uso emergencial do imunizante no Brasil  - o novo encontro deve acontecer em breve. 

O pedido de uso emergencial no Brasil ocorre no mesmo dia que o Reino Unido se tornou o primeiro país do mundo a aprovar a vacina contra o novo coronavírus, desenvolvida pela Universidade de Oxford em parceria com a farmacêutica AstraZeneca. 
Durante o encontro entre Anvisa e AstraZeneca, a Anvisa informou ao laboratório que já solicitou a agência reguladora do Reino Unido informações sobre a aprovação de uso emergencial naquele país. O objetivo é dar mais celeridade ao processo no Brasil.