Anvisa recebe Butantan para tratar de uso emergencial da Coronavac

Natália André, da CNN, em Brasília
05 de janeiro de 2021 às 21:11 | Atualizado 06 de janeiro de 2021 às 13:08

 

O Instituto Butantan se reúne, nesta quarta-feira (6), com a Anvisa para discutir os últimos detalhes sobre a documentação de entrada no pedido de uso emergencial da Coronavac, assim como a Fiocruz fez na segunda (4) e terça-feira (5) sobre a vacina de Oxford. 

O encontro virtual será conduzido pelo diretor-geral de Medicamentos e Produtos Biológicos da agência, Gustavo Mendes, às 17h. De acordo com fontes da Anvisa, a conversa será para o alinhamento de estimativas e documentação. 

Leia também:

Após Índia, governo agora tenta acelerar importação de insumos com a China

Coronavac: 'Receberemos os dados de eficácia até o dia 7', diz Jean Gorinchteyn

Entenda por que a Indonésia vacinará primeiro a população ativa e não os idosos

Indonésia iniciará vacinação contra Covid-19 usando a Coronavac
Indonésia iniciará vacinação contra Covid-19 em pessoas com 18 a 59 anos usando a Coronavac
Foto: Thomas Peter - 24.set.2019/Reuters


Assim, quando o Butantan submeter o pedido, a agência vai conseguir aprová-lo mais rapidamente.

Pelo regulamento, a resposta para o uso emergencial das vacinas contra a Covid-19 precisa ser dada em até 10 dias corridos. A expectativa da Anvisa é receber os pedidos do Butantan e da Fiocruz até sexta-feira (8), quando a agência terá uma reunião virtual com o Ministério da Saúde.

Destaques do CNN Brasil Business:

Salários de até R$ 45 mil: Conheça as profissões mais promissoras para 2021

Preço da comida não deve subir tanto em 2021 — mas vai continuar alto

Onde está Jack Ma? Magnata fica em silêncio enquanto a China endurece regras

Atum é vendido por R$ 1,06 milhão em leilão de Ano-Novo em mercado de Tóquio

Sobre a Pfizer, essas mesmas fontes disseram que não acreditam que o pedido de uso emergencial vai acontecer tão cedo no Brasil, já que a empresa segue criticando a agência e o Ministério da Saúde não fechou um contrato.

É preciso ter as doses, pelo menos, acordadas, para fazer o pedido. Uma vez que, se a agência libera, a empresa não consegue começar a vacinação de urgência porque não tem as doses no país.