SP iniciará vacinação no dia 25 mesmo se plano nacional atrasar, diz secretário

São Paulo não abrirá mão de sua programação, disse coordenador do Centro de Contingência João Gabbardo

Anna Satie, da CNN em São Paulo
08 de janeiro de 2021 às 14:13
CoronaVac no Instituto Emílio Ribas, em São Paulo
CoronaVac no Instituto Emílio Ribas, em São Paulo
Foto: Amanda Perobelli/Reuters (30.jul.2020)

O coordenador do Centro de Contingência da Covid-19 de São Paulo, João Gabbardo, afirmou nesta sexta-feira (8) que o estado não abrirá mão do início da vacinação em 25 de janeiro, mesmo se o Plano Nacional de Imunização atrasar. 

"Se o Plano Nacional de Imunização decidir postergar [o início da vacinação] para depois, São Paulo não abrirá mão de sua programação, de iniciar a vacinação em 25 de janeiro", declarou. 

Leia também:

São Paulo endurece quarentena e quatro regiões vão para fase laranja

Anvisa recebe pedido para uso emergencial da vacina do Butantan

Pazuello: Brasil garantiu 354 milhões de doses de vacina, incluindo Coronavac

Ele disse, porém, que se o plano nacional se iniciar antes dessa data, o estado pode antecipar o começo da imunização.

"Estou baseado na declaração do ministro [Eduardo Pazuello] de que seu primeiro prazo seria iniciar a vacinação até o dia 20 de janeiro. Se o Plano Nacional de Imunização iniciar em 20 de janeiro, por óbvio, o programa estadual será antecipada", disse. 

"É o que queremos, que Rio Grande do Sul, São Paulo, Mato Grosso, Amazonas, comecem a vacinar no mesmo dia". 

O secretário de Saúde do estado, Jean Gorinchteyn, também se manifestou de forma semelhante. 

"Em todas as campanhas vacinais, o estado de São Paulo se antecipou ao PNI e iniciou a vacinação com as devidas doses proporcionais da sua população. Não será diferente neste momento", afirmou. "O que queremos é cronologicamente estarmos juntos, mas se, eventualmente, precisarmos antecipar, assim o faremos seguindo toda a proporcionalidade de vacinar para todo o país".

O início da vacinação em São Paulo, no entanto, depende  que a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) aprove o pedido de uso emergencial da Coronavac, que foi protocolado nesta manhã. A agência tem até dez dias para responder