Publicidade na remessa das vacinas atrapalhou negociação com Índia

É como se o governo brasileiro anunciasse, agora, diante da situação de Manaus, a exportação de oxigênio produzido aqui, disse um militar

Caio Junqueira
Fernando Molica
15 de janeiro de 2021 às 19:35 | Atualizado 15 de janeiro de 2021 às 20:12


 

A Índia relatou a autoridades brasileiras estar receosa com o impacto na opinião pública indiana sobre a remessa das 2 milhões de doses da vacina da Astrazeneca para o Brasil, tendo em vista que eles estão iniciando a campanha de vacinação por lá.

Nesse sentido, pediram discrição do governo brasileiro nessa negociação. Mas isso não aconteceu. O governo brasileiro, ao contrário, comemorava o aval da Índia para que a operação fosse feita.

A avaliação de autoridades federais é de que houve uma precipitação no processo, que acabou atrapalhando as negociações.

O impasse fez com que a operação passasse a ser coordenada pela Casa Civil, e não mais pelo Ministério da Saúde e pelo Itamaraty. Nesta sexta-feira (15), técnicos das três pastas se reuniram no Palácio do Planalto para tentar buscar uma saída.

A expectativa atualizada é a de que o avião chegue ao Brasil na terça-feira, dia 19. Mas não há certeza quanto a isso, nem quanto à quantidade de doses que serão encaminhadas.

Esse cenário ajuda a entender por que o Ministério da Saúde acabou requisitando, também na tarde desta sexta-feira, conforme revelou a CNN, todos os 6 milhões de doses da Coronavac para que a vacinação comece logo. Isso, claro, depois que a Anvisa liberar.

Avião da Azul tem inscrição "Brasil imunizado, somos só uma nação'

Avião da Azul que buscará vacinas na Índia tem inscrição "Brasil imunizado, somos só uma nação'

Foto: Divulgação

Um militar ressaltou que a campanha de vacinação na Índia só começará neste sábado (16), o que tornaria ainda mais complicada o envio das doses para o Brasil.  

"É como se o governo brasileiro anunciasse, agora, diante da situação de Manaus, a exportação de oxigênio produzido aqui", comparou. 

O avião arrendado pelo governo brasileiro para transportar as doses da vacina continua parado no aeroporto de Recife (PE).

O Ministério da Saúde não revelou quanto foi gasto no arrendamento do Airbus A330neo da Azul. A empresa informou ter sido escolhida em uma tomada de preços, um BID.

No último dia 13, o Ministério das Relações Exteriores divulgou nota em que previa a chegada do avião ao Rio, com as doses, para o sábado (16).