'Estamos na reta final', diz Renato Kfouri sobre início da vacinação no Brasil

'Pena que teremos pouca quantidade de vacinas, então vamos vacinar, neste primeiro momento, somente uma pequena parcela da população'

Da CNN, em São Paulo
16 de janeiro de 2021 às 14:50

 

O diretor da Sociedade Brasileira de Imunizações, Renato Kfouri, falou, neste sábado (16), em entrevista à CNN, sobre o processo de vacinação que ainda está indefinido no Brasil. O especialista afirmou que em breve o Programa Nacional de Imunização deve começar, e que estamos na "reta final" do processo. 

Leia e assista também:

Rio começa a distribuir seringas e agulhas que serão usadas em vacinação

Israel lidera vacinação contra Covid-19; veja como está a imunização nos países

Ministério da Saúde exige que todo estoque da Coronavac seja do governo federal

“Eu acho que estamos na reta final. Agora, depois de todos os dados publicados e os estudos apresentados para a Agência Nacional de Vigilância Sanitária, nós vamos, provavelmente, hoje, quer dizer, amanhã, receber a aprovação das vacinas para começar a utilizar. Então, estamos na reta final do início da introdução da vacinação. Pena que teremos pouca quantidade de vacinas, então vamos vacinar, neste primeiro momento, somente uma pequena parcela da população”, disse Kfouri.

Renato Kfouri (16 jan. 2021)
Renato Kfouri, presidente da Sociedade Brasileira de Imunização (16 jan. 2021)
Foto: Reprodução / CNN

Duas milhões de doses da vacina de Oxford estão previstas para chegar ao Brasil em um voo da Índia. No entanto, este transporte foi adiado e ainda não há data definida para a chegada. O médico lamentou o fato, já que quanto mais doses mais rápido acontecerá a imunização da população brasileira. 

“É preciso celeridade neste momento, seja na produção local das vacinas no Butantan, seja na remessa de vacinas de Oxford para o Brasil, na produção, depois, local, aqui de Bio Manguinhos. Uma etapa foi vencida - o estudo, o desenvolvimento, a prova de que a vacina funciona e é segura - agora precisamos operacionalizar e isso depende de produção, distribuição, importação. Agora precisamos trabalhar muito forte nesta questão”, afirmou.

(Publicado por Daniel Fernandes)