Em carta, Pazuello agradece embaixador da China por envio de insumos ao Brasil

Documento classifica governo chinês como 'parceiro central' no processo de imunização no Brasil

Da CNN, em São Paulo
26 de janeiro de 2021 às 15:15 | Atualizado 26 de janeiro de 2021 às 15:17

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, afirmou, em carta enviada nesta terça-feira (26) ao embaixador da China no Brasil, Yang Wanming, que o país “está disposto a trabalhar com a República Popular da China para fortalecer ainda mais a cooperação bilateral na área da saúde”.

“Não posso deixar passar esta oportunidade para ressaltar tudo que a China já fez pelo Brasil, doando equipamentos de proteção individual e insumos de saúde desde o início da pandemia, e tudo que sei ainda fará pelo Brasil, assegurando o fornecimento continuado de ingredientes farmacêuticos ativos para manter o cronograma da vacinação no Brasil”, disse Pazuello na carta enviada como uma forma de agradecimento pela exportação de insumos para a fabricação de vacinas no Brasil.

No documento, o ministro afirma que o processo de vacinação no Brasil começou “rapidamente em todas as unidades da federação” após a liberação de uso emergencial dos imunizantes de Oxford e da Sinovac, e classifica a China como "parceira central” na estratégia de imunização da população.

O ministro afirmou que os cumprimentos são também do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e exaltou a atuação de Wanming na vinda dos ingredientes. 

“Agradeço, em nome do Presidente Jair Bolsonaro, a carta datada de 25 de janeiro de 2021, que informa sobre avanços nos trâmites para exportação para o Brasil dos insumos farmacêuticos ativos das vacinas da AstraZeneca e da Sinovac. Agradeço, em especial, os esforços feitos por Vossa Excelência para alcançar tal resultado positivo, em seguimento à exitosa reunião que mantivemos em 20 de janeiro, por videoconferência.

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, durante entrevista coletiva
O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, durante entrevista coletiva
Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil (7.jan.2021)

(Publicado por Daniel Fernandes)