Governadores querem garantia de chegada de vacina para apoiar pedido de Doria 

São Paulo pede para que os gestores deixem de lado a reserva de 50% e usem todo o estoque já disponível da vacina.

Renata Agostini
Por Renata Agostini, CNN  
28 de janeiro de 2021 às 17:51 | Atualizado 29 de janeiro de 2021 às 12:35

Os governadores querem uma garantia de que a segunda dose da Coronavac chegará a tempo antes de apoiar o pedido de São Paulo para deixar de lado a reserva de 50% e usar todo o estoque já disponível da vacina.

Wellington Dias, governador do Piauí e coordenador da temática vacina no Fórum dos Governadores, afirmou à CNN que é preciso aguardar a chegada dos insumos vindos da CHina na semana que vem e a confirmação da distribuição de novo lote aos estados pelo Ministério da Saúde.

“Isso vai permitir aos 27 estados e ao DF utilizar vacinas reservadas para a segunda dose. Queremos fazer isso com segurança”, disse.

Dias também afirmou que os governadores vão adquirir as vacinas do Butantan caso não haja confirmação do governo federal da compra das 54 milhões de doses da Coronavac no segundo semestre.

“Queremos contrato firme. Ou é comprado pelo Ministério da Saúde ou a opção é firme também por parte dos estados para garantir a compra. Queremos essas vacinas para o Brasil. Não sendo possível pelo Ministério, será pela compra firme dos estados”.

O governador do Maranhão, Flávio Dino, disse que tudo depende da chegada dos insumos, mas que se o Instituto Butantan garantir o fornecimento das doses, ele irá apoiar o pedido de São Paulo. "Se Butantan garante, eu confio"