RJ: 726 doses de vacina podem ser descartadas após queda de energia em hospital

Após o episódio, a exoneração do diretor do hospital foi publicada no Diário Oficial nesta quinta-feira (28)

Paula Martini, Pedro Duran e Beatriz Puente, da CNN, no Rio de Janeiro
28 de janeiro de 2021 às 17:18 | Atualizado 28 de janeiro de 2021 às 17:24
Doses danificadas eram da Coronavac
Foto: Dirceu Portugal/FotoArena/Estadão Conteúdo


O Hospital Federal de Bonsucesso, no Rio de Janeiro, enviou 726 doses da Coronavac para análise de eficácia no Instituto Butantan, após queda de energia na unidade no último domingo (24).

Segundo o diretor do Corpo Clínico do hospital, Julio Noronha, a geladeira na qual as vacinas estavam armazenadas não tinha a estrutura adequada para se conectar ao gerador e, por isso, funcionários demoraram alguns minutos para religá-la. O tempo foi suficiente para deixar a temperatura das doses acima de 8°C, o máximo recomendado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

As doses foram encaminhadas ao Instituto Butantan para análise de eficácia. Se ainda estiverem com o princípio imunizante ativo, voltam ao Hospital Federal de Bonsucesso para serem usadas; mas, se o Butantan avaliar que as doses foram comprometidas, elas serão descartadas e repostas na próxima leva de distribuição.

Após o episódio, a exoneração do diretor do hospital foi publicada no Diário Oficial nesta quinta-feira (28). 

A CNN apurou com representantes do Ministério da Saúde que a medida foi tomada por causa do problema com as vacinas. A gestão do diretor já vinha sendo alvo de críticas por problemas como a demora para reabrir o bloco 1, que pegou fogo no ano passado. No entanto, a queda de energia serviu como gota d'água para a exoneração. 

Em nota, a Superintendência Estadual do Ministério da Saúde no Rio de Janeiro informou que “assim que tomou conhecimento dos fatos, nesta quarta-feira (27), determinou a apuração do ocorrido para tomar as providencias cabíveis”.