Cepa sul-africana do vírus se mostra mais resistente à vacina de Oxford

Farmacêutica AstraZeneca e Universidade de Oxford já começaram a adaptar o imunizante

De Jamie Gumbrecht, da CNN
07 de fevereiro de 2021 às 15:27

 

 

Os primeiros dados sugerem que duas doses da vacina Oxford/AstraZeneca contra a Covid-19 fornecem "proteção mínima" contra a infecção leve e moderada da variante identificada pela primeira vez na África do Sul, informou a Universidade de Oxford neste domingo (07).

A neutralização viral contra a variante B.1.351 foi "substancialmente reduzida" quando comparada à cepa anterior do coronavírus, de acordo com um comunicado à imprensa feito pela universidade. O estudo, que não foi divulgado, incluiu cerca de 2.000 voluntários com idade média de 31 anos; cerca de metade recebeu a vacina e a outra metade, um placebo. A eficácia da vacina contra a Covid-19 grave, hospitalização e morte não foram avaliadas.

 

Detalhes do estudo feito por pesquisadores da Universidade de Witwatersrand da África do Sul e da Universidade de Oxford foram compartilhados em um comunicado à imprensa. Os resultados foram submetidos à revisão por pares e uma pré-impressão será lançada em breve, disse Oxford.

Depois que o estudo foi divulgado no sábado (06) pelo jornal "Financial Times", a AstraZeneca disse em um comunicado que acredita que a vacina pode fornecer proteção contra doenças graves, e disse que começou a adaptar a vacina contra a variante “para que esteja pronta para entrega no outono, caso necessário.”

“Esforços estão em andamento para desenvolver uma nova geração de vacinas que permitirão que a proteção seja redirecionada para variantes emergentes como jabs de reforço, caso seja necessário fazer isso”, afirmou Sarah Gilbert, professora de vacinologia da Universidade de Oxford, observando que este problema enfrenta todos os desenvolvedores de vacinas.

“Estamos trabalhando com a AstraZeneca para otimizar o duto necessário para uma mudança de tensão, caso seja necessário.”

Na declaração de Oxford, Shabir Madhi, professor de vacinologia da University of Witwatersrand que liderou o estudo, observou que dados recentes na África do Sul da Janssen, braço de vacina da Johnson & Johnson, encontraram alguma proteção contra a doença de Covid-19 moderada e grave com uma vacina semelhante.

“Essas descobertas recalibram o pensamento sobre como abordar o vírus pandêmico, e mudar o foco do objetivo de imunidade coletiva contra a transmissão para a proteção de todos os indivíduos em risco na população contra doenças graves”, disse Madhi.