Em casos raros, período de incubação da Covid-19 pode durar 16 dias

Na semana passada, uma pessoa testou positivo na Austrália depois de fazer isolamento de 14 dias; estudo diz que 1% dos casos podem durar mais de duas semanas

Da CNN, em São Paulo
10 de fevereiro de 2021 às 10:11 | Atualizado 10 de fevereiro de 2021 às 10:12
Cientistas estudam variações do coronavírus
Em casos extremamente raros, incubação da Covid-19 pode durar até 16 dias
Foto: Phil Noble/Reuters

Ainda que extremamente raro, em alguns casos o período de incubação para a Covid-19 pode chegar a até 16 dias.

Na semana passada, três pessoas na Austrália – uma em Nova Gales do Sul e duas em Victoria - testaram positivo para o novo coronavírus logo após deixarem a quarentena em um hotel.

As pessoas em Victoria parecem ter sido infectadas durante a quarentena. Isso porque eles foram isolados em uma unidade do Holiday Inn onde 8 membros da equipe também foram infectados.

Mas o sequenciamento genômico indica que a infecção em Nova Gales do Sul não aconteceu durante a quarentena do hotel. Portanto, é possível que algumas pessoas ainda espalhem o vírus ou o tenham incubado por mais de 14 dias.

O período de incubação é o tempo entre o ponto em que alguém é exposto ao vírus e o início dos sintomas (lembrando que nem todas as pessoas com teste positivo para Covid-19 desenvolvem sintomas).

Teoricamente, é possível uma pessoa incubar o novo coronavírus por mais de 14 dias. Mas qual é a probabilidade disso?

A maioria das pessoas expostas ao SARS-CoV-2, o vírus que causa a Covid-19, não desenvolverá uma infecção. Às vezes, a dose não é alta o suficiente e/ou a pessoa pode montar uma resposta imunológica bem-sucedida para evitar que o vírus se estabeleça em seu sistema.

Mas, entre aqueles que desenvolvem uma infecção, evidências sugerem que quase todos continuarão testando positivo por até 14 dias após serem expostos ao vírus. Uma revisão de dados de 21 estudos relatou que apenas 1% das pessoas incubaram o vírus por mais de duas semanas.

É importante notar que esta revisão é uma pré-impressão, ou seja, não foi revisada por pares e por isso não recebeu o mesmo escrutínio que outras pesquisas publicadas.

De qualquer forma, essa revisão descobriu que o período médio de incubação é de 5,9 dias, o que está de acordo com pesquisas revisadas por pares, indicando que o período de incubação para Covid-19 está na faixa de 5 a 6 dias.

Isso é semelhante a outros coronavírus, principalmente Sars e Mers. Os períodos médios de incubação de outras infecções virais respiratórias agudas variam; 1,4 dias para influenza A, 0,6 dias para influenza B e 12,5 dias para sarampo.

Para a pequena minoria de pessoas que incubam o novo coronavírus por mais de 14 dias, isso pode estar relacionado a condições subjacentes, especialmente aquelas que enfraquecem a resposta imunológica do corpo.

No fim de semana, Nova Gales do Sul começou a testar viajantes que chegam de outros locais no 16º dia após o início da quarentena. Foi assim que o último caso no estado foi detectado.

O teste não é obrigatório e se a pessoa não apresentar sintomas, não precisa se isolar até receber o resultado.

Este teste no 16º dia tem como objetivo detectar infecções que podem se desenvolver após o período máximo de incubação esperado de 14 dias – e que é usado como base para a quarentena na Austrália.

Outros estados também estão considerando a implementação desta medida, que formaria uma boa rede de segurança porque pode pegar esses casos raros e também casos isolados do vírus contraído durante a quarentena.

Alguns países têm um período de quarentena até menor do que 14 dias. O Reino Unido, por exemplo, acaba de iniciar um programa de quarentena em hotéis para tentar se proteger contra a chegada de outras novas variantes. O período de quarentena é de dez dias.

A maioria dos dados disponíveis sobre o período de incubação da Covid-19 não levam em consideração as variantes emergentes do vírus. Por exemplo, a maioria dos estudos incluídos na revisão foi realizada na China, e todos foram realizados em junho de 2020 ou antes.

O aumento acelerado no número de casos ao redor do mundo com novas variantes significa que uma proporção maior de pessoas foi infectada após a exposição a essas novas cepas. Mas um período de incubação mais curto também pode estar contribuindo.

Essas novas variantes são mais eficientes no estabelecimento de infecções, com o vírus melhor adaptado para se ligar e invadir nossas células. Podemos, portanto, supor que um vírus mais eficiente não esperaria 14 dias antes de iniciar uma infecção.

(Com informações da Reuters)