Vitamina C e zinco são ineficazes em pacientes com Covid-19, diz estudo

A pesquisa é o primeiro grande estudo randomizado analisando os suplementos populares, administrados sob supervisão médica

De Maggie Fox, da CNN
12 de fevereiro de 2021 às 15:31
Xícara com água ao lado que pote de cápsulas de vitamina D
Foto: Freepik

A vitamina C e o zinco não fazem nada para ajudar os pacientes com coronavírus, relatou uma equipe da Cleveland Clinic nesta sexta-feira (12).

A pesquisa é o primeiro grande estudo randomizado analisando os suplementos populares, administrados sob supervisão médica, e descobriu que mesmo as altas doses não ajudaram os pacientes a se recuperar da Covid-19.

A equipe do sistema de saúde da Cleveland Clinic designou aleatoriamente 214 pacientes para receberem doses variadas de ácido ascórbico, comumente conhecido como vitamina C, e zinco, entre abril e outubro do ano passado.

“Neste ensaio clínico randomizado de pacientes ambulatoriais com diagnóstico de infecção por SARS-CoV-2, o tratamento com altas doses de gluconato de zinco, ácido ascórbico ou uma combinação dos dois suplementos não diminuiu significativamente a duração dos sintomas em comparação com o tratamento padrão, ”, escreveu a equipe na revista JAMA Network Open.

“A maioria dos consumidores de ácido ascórbico e zinco está tomando doses significativamente mais baixas desses suplementos, portanto, demonstrar que mesmo o ácido ascórbico e o zinco em altas doses não tiveram nenhum benefício sugere uma clara falta de eficácia”, escreveram o Dr. Milind Desai da Cleveland Clinic e colegas.

“Além disso, a administração de suplementos com benefícios não comprovados pode ser prejudicial devido aos efeitos adversos. Foi demonstrado que o zinco causa gosto metálico, boca seca e intolerância gastrointestinal em altas doses. O ácido ascórbico pode causar intolerância gastrointestinal e, no estudo atual, uma proporção significativamente maior de pacientes nos subgrupos de ácido ascórbico relatou efeitos adversos, incluindo náusea, diarreia e cólicas estomacais. ”