Brasil precisa imunizar 2 mi de pessoas por dia, mas falta vacina, diz professor

Pesquisa da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) aponta que vacinação de 2 milhões ao dia seria necessária para controlar a pandemia do coronavírus

Produzido por Jorge Fernando Rodrigues, da CNN, em São Paulo
23 de fevereiro de 2021 às 09:14

O Brasil precisa vacinar dois milhões de pessoas por dia para controlar a pandemia do coronavírus em até um ano. É o que afirma um estudo da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) em parceria com a Universidade Federal de João Del Rei (UFSJ), em Minas Gerais. No atual ritmo de imunização, o país levaria mais de dois anos para imunizar 70% da população.

Em entrevista à CNN nesta terça-feira (23), um dos autores do estudo, o professor de ciência de computação e modelagem computacional da UFJF, Rodrigo Weber, falou sobre o ritmo da vacinação contra a Covid-19. 

“O problema agora é falta de vacina e de insumos. Temos a capacidade no SUS [Sistema Único de Saúde] de aplicar um milhão, dois milhões de vacinas por dia. Tanto a Fiocruz [Fundação Oswaldo Cruz] e o [Instituto] Butantan tem capacidade de fazer mais de um milhão de vacinas por dia”, disse.

Segundo ele, com o estudo, é possível ver que o efeito da imunização ocorre 80 dias depois do início da campanha, além da diferença grande de impacto entre a eficácia da vacina e a velocidade com que conseguimos ministrar o imunizante diariamente.

“O estudo foi de projeção de um ano a frente. Então, como o nosso comportamento influencia muito a curva da pandemia, esse estudo nunca vai refletir o que vai acontecer daqui a um ano. O interesse era avaliar o que é mais importante, a eficácia da vacina ou a velocidade [que as pessoas são imunizadas] e a importância dos dois”, explicou.

“A conclusão dele foi que a eficácia fica em segundo plano, ou seja, tanto faz se a vacina tem 50% ou 90% [de eficácia], o que influencia mais e com força é a quantidade de doses administradas por ano. Com a situação de hoje, com 100 mil, 200 mil vacinas sendo administradas por dia no Brasil, a gente conseguiria salvar por volta de 40 mil vidas. Mas se aumentarmos dez vezes mais, administrando um ou dois milhões de doses por dia, passamos a salvar 200 mil vidas ao longo do ano.”

(Publicado por: André Rigue)