Analistas defendem prioridade de vacinação a grupos vulneráveis específicos

Empresa usou dados de reclamações de seguros de saúde e dados demográficos da Califórnia

Deidre McPhillips, da CNN
24 de fevereiro de 2021 às 14:59 | Atualizado 24 de fevereiro de 2021 às 15:22
Pessoas fora do grupo prioritário formam fila para buscar vacinas que 'sobram' n
Vacinação nos EUA: Los Angeles teria déficit de quase 405 mil doses, diz levantamento
Foto: CNN

 

Ao destinar a distribuição de vacinas para populações vulneráveis mais específicas, os estados dos EUA podem ter a oportunidade de salvar milhares de vidas e prevenir ainda mais hospitalizações, de acordo com uma nova análise compartilhada exclusivamente com a CNN.  

A empresa de ciência de dados de saúde Cogitativo analisou milhares de reclamações de seguros de saúde e dados demográficos regionais da Califórnia para avaliar os fatores que levam a resultados ruins após a infecção por Covid-19. 

Ao combinar as recomendações do grupo federal de vacinação prioritária com fatores locais como qualidade do ar e acesso a alimentos frescos, a empresa foi capaz de identificar com mais precisão os indivíduos mais vulneráveis no estado e nos municípios onde vivem. Como a demanda por vacina continua a superar a oferta, ainda não é possível cobrir todos os grupos prioritários. 

 

De acordo com a análise, dezenas de condados da Califórnia careceriam de doses suficientes para atender às pessoas mais vulneráveis do estado apenas sob orientação federal. O Condado de Los Angeles, por exemplo, teria um déficit de quase 405.000 doses. 

Expandir essas descobertas para os 10 maiores estados mostra que cerca de um terço dos condados não teria doses em relação ao número de residentes mais vulneráveis — e cerca de 5 milhões de doses poderiam ter um impacto mais profundo na luta contra a Covid-19 se realocadas para um condado diferente. 

 

“Sem uma abordagem cirúrgica para distribuir a vacina, mais americanos — geralmente em comunidades de cor e áreas rurais — correm o risco de serem deixados para trás”, disse o CEO do Cogitativo Gary Velasquez à CNN.

“A chave é usar uma combinação de dados clínicos reais e determinantes sociais da saúde para avaliar cirurgicamente quem está em maior risco. Essa abordagem pode ajudar os estados a evitar déficits agudos em certos condados ”.

Texto traduzido. Clique aqui para ler o original, em inglês.