Pandemia da Covid-19 se agrava e oito estados adotam toques de recolher

Aparecimento de casos de novas cepas do novo coronavírus motivou endurecimento de medidas em algumas localidades, como Araraquara (SP)

Will Marinho, da CNN, em São Paulo
24 de fevereiro de 2021 às 17:48 | Atualizado 24 de fevereiro de 2021 às 18:26
Lockdown na cidade de Araraquara devido ao colapso do sistema de saúde
Lockdown na cidade de Araraquara devido ao colapso do sistema de saúde
Foto: Tetê Viviane/Futura Press/Estadão Conteúdo

Diante do agravamento da pandemia do novo coronavírus no Brasil, governos de estados e municípios endureceram as medidas de restrição impostas ao deslocamento e aos serviços públicos e privados.

As novas medidas vão desde mudanças de horários e revisão de flexibilizações das regras para a quarentena até a decretação de algum tipo de toque de recolher, com restrições mais duras ao deslocamento, com diferentes formatos, gradações e horários.

Segundo levantamento da CNN, são oito os estados em que há em vigor algum tipo de toque de recolher: Acre, Amazonas, Bahia, Ceará, Mato Grosso, Paraíba, Paraná e Piauí.

Em relação aos municípios, toques de recolher foram impostos em 15 cidades. Entre as capitais, estão Campo Grande (MS), Curitiba (PR), Fortaleza (CE), João Pessoa (PB) e Salvador (BA).

As restrições também vigoram em Dueré (TO), Maringá (PR), Uberlândia (MG) e em toda o ABC, na região metropolitana de São Paulo (cidades de Diadema, Mauá, Ribeirão Pires, Rio Grande da Serra, Santo André, São Bernardo do Campo e São Caetano do Sul).

À CNN, o diretor da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), Renato Kfouri, afirma que a alta do número de casos de Covid-19 reflete a combinação entre um ritmo ainda tímido de vacinação contra a doença com as novas variantes do novo coronavírus identificadas no país.

“As novas cepas, combinadas ao fato de que temos poucos vacinados no país, aumentam exponencialmente a curva de infectados pela Covid-19 e consequentemente a lotação dos leitos em UTIs”, explica 

As restrições surgem em um momento que o Brasil contabiliza 248.529 mortes pela Covid-19, ocupando a segunda posição na lista de países com mais vítimas da doença. Além disso, o país é o terceiro a contabilizar mais casos com 10.257.875 pessoas infectadas pelo vírus, em dados obtidos até a quarta-feira (24) e contabilizados pela Universidade Johns Hopkins.

Sudeste

São Paulo

O estado se orienta a partir de um conjunto de regras batizado de Plano São Paulo, com fases batizadas com nomes de cores e diferentes graus de rigidez nas medidas, adotadas de acordo com o número de mortes por Covid-19, internações e ocupação de leitos de UTI.

Nesta quarta-feira (24), o governador João Doria (PSDB) divulgou novas medidas para restringir a circulação entre 23h e 5h. No entanto, estas não se enquadram como toque de recolher uma vez que estabelecimentos essenciais e transportes poderão seguir funcionando.

A medida acontece depois que o estado atingiu o maior número de pacientes internados em UTIs com Covid-19 em toda a pandemia. O decreto vale do dia 26 de fevereiro ao dia 14 de março.

A situação é mais crítica contece em Araraquara (interior de São Paulo), onde a cidade já decretou lockdown com 100% dos leitos já ocupados. 

Durante o dia, o estado segue as regras previstas no Plano SP. As regiões de Presidente Prudente, Araraquara, Barretos e Bauru estão na fase vermelha do plano. Durante a fase vermelha, somente serviços essenciais como supermercados, açougue e fármacias podem funcionar.

Governador de São Paulo, João Doria
Governador de São Paulo, João Doria, anunciou restrição de circulação entre 23h e 5h durante coletiva
Foto: CNN Brasil (24.fev.2021)

Na fase laranja estão Franca, Marília, Piracicaba, Ribeirão Preto, São João da Boa Vista, São José do Rio Preto e Taubaté. A fase laranja permite o funcionamento de parques,salões de beleza e academias. Todos podem receber 40% do público presencial em oito horas por dia.

As demais regiões e a capital seguem na fase amarela, que agrega o funcionamento de bares com público presencial até ás 20h e os restaurantes até às 22h.

Rio de Janeiro

O estado segue as orientações previstas do Mapa de Risco da Covid-19, que possui o funcionamento semelhante ao do Plano São Paulo. O mapa divide os efeitos do vírus nas regiões em bandeiras.

Cada bandeira representa um nível de risco e um conjunto de recomendações de isolamento social, que variam entre as cores roxa (risco muito alto), vermelha (risco alto), laranja (risco moderado), amarela (risco baixo) e verde (risco muito baixo).

Restrições: Com exceção das regiões Noroeste e Centro-Sul do estado que estão na bandeira laranja (risco moderado), as demais regiões e a capital seguem na bandeira amarela (risco baixo). 

Espírito Santo

O estado capixaba também se baseia no Mapa de Risco da Covid-19 para definir as restrições e flexibilizações em seus municípios.

Restrições: De acordo com a última atualização do mapa, somente o município de Piúma está catalogado na bandeira vermelha (alto risco). Dos 77 municípios restantes, 36 estão na bandeira laranja (risco moderado) e 41 estão na bandeira amarela (risco baixo).

Minas Gerais

Semelhante aos programas dos outros estados da região sudeste, Minas Gerais adotou o 'Minas Consciente' para coordenar as restrições no estado. O programa se divide em três categorias: vermelha (restrição máxima), amarela (restrição moderada) e verde (restrição mínima).

Restrições: O governo estadual suspendeu as cirurgias eletivas para todo o estado. A medida, válida por 15 dias, é uma ação preventiva para evitar o esgotamento da rede pública de assistência médica. 

Além disso, sete das 14 macrorregiões do estado (Centro, Oeste, Jequitinhonha, Leste, Leste do Sul, Nordeste, Vale do Aço, Sudeste, Centro-Sul e Sul), estão na onda vermelha, a mais restritiva do Minas Consciente, que define apenas serviços considerados essenciais autorizados de funcionar.

A cidade de Uberlândia (MG) decretou toque de recolher, válido entre 20h e 5h.

Sul

Paraná

Com a circulação de uma nova variante do coronavírus em território paraense, o governo do estado adotou o toque de recolher, uma das medidas mais restritivas no combate a Covid-19.

Restrições: O toque de recolher proíbe a circulação de pessoas nas ruas no horário de 23h às 05h. Apenas serviços essenciais ficam liberados da restrição. Também permanece proibido, nesse mesmo horário, a comercialização e o consumo de bebidas alcoólicas, em vias e espaços públicos.

Confraternizações e eventos presenciais que causem aglomerações, com grupos de mais de 25 pessoas também não são permitidos.

Santa Catarina

O estado de Santa Catarina segue o Plano de Matriz de Risco Potencial para Covid-19. De acordo com o plano, o estado é um dos mais atingidos pelo coronavírus, o que levou o governo estadual a endurecer ainda mais as medidas restritivas.

Restrições: Foram suspensas todas as cirurgias eletivas por 20 dias. O plano ainda classificou quinze das 16 regiões de saúde catarinenses na cor vermelha (alerta gravíssimo) para transmissão do novo coronavírus. Apenas a região Carbonífera manteve a cor laranja (alerta grave).

Rio Grande do Sul

No Rio Grande do Sul, o Plano Distanciamento Controlado, divide o estado em bandeiras nas cores amarela, laranja, vermelha ou preta, sendo a última simbolizando risco altíssimo de contaminação pela Covid-19.

Restrições: São quatro decretos definidos pelo governo estadual sendo o primeiro a atualização dos protocolos e as bandeiras da 42ª rodada do Plano de Distanciamento Controlado. O outro que amplia o horário da suspensão das atividades entre 20h e 5h.

Existe um terceiro que permite atividades presenciais para Ensino Infantil e 1º e 2º anos do Ensino Fundamental na bandeira preta. E por último, um decreto que inclui a necessidade nos planos regionais de um compromisso de fiscalização quanto ao cumprimento dos protocolos. 

Centro-Oeste

Mato Grosso

Cada região recebe orientações de acordo com os indicadores de número de mortes por Covid-19, internações e ocupação de leitos de UTI. O governo estadual do Mato Grosso atualiza a situação destas regiões por meio de um boletim informativo divulgado semanalmente.

O sistema de classificação que aponta o nível de risco é definido por cores: muito alto (vermelho), alto (laranja), moderado (amarelo) e baixo (verde). De acordo com a definição dos riscos, é necessária a adoção de medidas restritivas para o controle da propagação do coronavírus nas cidades.

Restrições: O último boletim informativo, divulgado na segunda-feira (22) classificou 10 municípios com risco 'moderado' para a Covid-19. São eles: Cuiabá, Rondonópolis, Várzea Grande, Primavera do Leste, Sinop, Barra do Garças, Sorriso, Alta Floresta, Nova Mutum e Poconé. Outros 130 municípios estão na classificação de 'baixo risco', indicado pela cor verde. 

Mato Grosso do Sul

O estado sul-mato-grossense também optou pelo toque de recolher para combater o aumento do número de casos da Covid-19. Inicialmente, a medida tem validade até a próxima sexta-feira (26).

Restrições: O toque de recolher pode variar de acordo com a região/risco de contágio. As cidades que estiverem nas bandeiras verde, amarela e laranja (risco de contágio moderado) terão o toque de recolher das 23h até às 5h da manhã.

Já os municípios classificados pelo programa com as bandeiras vermelha e cinza, que representam risco maior de contágio, segue o horário antigo, das 22h às 5h da manhã. São 49 municípios nas bandeiras verde, amarela e laranja, sendo 44 na faixa laranja e cinco na amarela. 

Goiás

O governo de Goiás dividiu o estado em três situações: alerta (amarelo), crítica (laranja) ou calamidade (vermelho). A partir da classificação de cada localidade, é possível que as prefeituras implementem medidas de combate e controle do coronavírus.

Restrições: O mapa da situação da Covid-19 no estado classificou quatro regiões em amarelo (situação de alerta). Enquanto isso, as regiões Central, Centro Sul, Entorno Norte, Nordeste I, Norte, Sudoeste II e Sul estão em momento crítico (laranja). Em calamidade (vermelho) estão Entorno Sul, Estrada de Ferro, Nordeste II, Oeste I, Rio Vermelho e Vale do São Patrício I e II.

Em nota, o governo estadual orientou que nas regiões em calamidade funcione apenas os serviços essenciais.

Norte

Acre

O governo do Acre decretou que todo o estado seguirá para a bandeira vermelha, que sinaliza alto nível de contaminação pela Covid-19. A decisão foi tomada devido ao crescimento do número de casos da doença e a sobrecarga do sistema público de saúde.

Restrições: Ficam proibidos a realização de atividades presenciais durante a bandeira vermelha, em todos os estabelecimentos comerciais não essenciais. Bares e restaurantes podem funcionar por delivery. As aulas também estão suspensas.

Amazonas

O governo do Amazonas editou um decreto que flexibiliza algumas restrições de acordo com cada região. O estado foi um dos mais atingidos pela pandemia da Covid-19.

Restrições: No interior, as medidas restritivas ficam prorrogadas até 28 de fevereiro. O documento mantém a restrição de circulação de pessoas das 19h às 6h, ressalvados os casos de extrema necessidade.

Em Manaus, voltou a ser permitido o funcionamento do comércio de rua em geral das 9h às 15h e dos shoppings centers das 10h às 16h, de segunda-feira a sábado. Supermercados e padarias continuam funcionando das 6h às 18h, com capacidade restrita a 50% de ocupação.

Amapá

O estado do Amapá manteve as medidas restritivas que já vigoravam no estado. "Nós não podemos tomar decisões sem estarmos cercados de informações oficiais. Paralelo às medidas preventivas, o Amapá está com frentes de trabalho para ampliação de leitos e instalação de usinas de oxigênio", disse o governo estadual.

Restrições: Os estabelecimentos comerciais podem funcionar até as 22h. Aglomerações em praças, shows ou boates seguem proibidos.

Pará

O Pará adotou o programa 'Retoma Pará' para flexibilizar as restrições impostas pela pandemia da Covid-19. O governo estadual também classificou o estado em bandeiras, sendo a cor preta (lockdown), vermelha (risco alto), laranja (risco médio), amarelo (risco intermediário), verde (risco baixo), e azul (risco mínimo).

Restrições: A região do Baixo Amazonas saiu da bandeira preta para a vermelha, enquanto as demais regiões permanecem em laranja. Durante a bandeira laranja, bares e restaurantes podem vender bebidas alcoólicas até às 00h. Academias e clubes esportivos também podem funcionar com capacidade reduzida. Praias, igarapés, balneários e similares voltam a ser liberados para acesso público.

Rondônia

Para enfrentar a pandemia da Covid-19 o estado de Rondônia proibiu atividades nos municípios entre 21h e 6h,sendo permitido somente serviços essenciais.

Restrições: Além da proibição das atividades,os cultos religiosos não podem funcionar com lotação superior a 50%. Os velórios cuja morte tenha a confirmação ou exista suspeita de Covid-19, não podem ser feito com público presencial. Caso não haja confirmação/suspeita, poderão ser realizados com a limitação de cinco pessoas nas regiões ajustadas nas Fases 1 e 2, e até com 20 pessoas nas Fases 3 e 4.

Roraima

Em Roraima, o governo estadual recomendou aos prefeitos que os municípios continuem na fase vermelha, que sinaliza alto risco de contaminação.

Restrições: A fase vermelha permite somente o funcionamento do serviços essencias como supermercados, fármacias, açougues e padarias. Os servidores públicos do estado adotaram o sistema de ródizio, sendo 50% trabalhando presencialmente, e a outra metade em home office.

Nordeste

Bahia

Com o aumento de 80% da ocupação de leitos UTIs Covid-19, a Bahia ampliou o toque de recolher a partir do domingo (21), a fim de conter o crescimento do número de casos da doença.

Restrições: Toque de recolher das 20h às 5h em 381 cidades baianas. A região oeste é a única exceção.

Em todo o estado o atendimento presencial em bares, restaurantes, lojas de conveniência e demais estabelecimentos similares que comercializem bebidas alcóolicas será encerrado às 18h. Apenas o delivery de alimentos fica permitido até as 23h. Já o transporte metropolitano (ônibus, metrô, ferryboat e lanchinhas) pode funcionar até as 20h30.

Ceará

Semelhante ao estado da Bahia, o Ceará também adotou o toque de recolher. A única diferença é o horário escolhido no estado: das 22h às 05h.

Restrições: Toque de recolher entre 22h e 05h. Estabelecimentos do setor de alimentação continuam funcionando presencialmente até as 20 horas de segunda a sexta-feira, e até as 15 horas aos sábados e domingos.

Os serviços de delivery (entrega) estão autorizados a funcionar em qualquer período, inclusive no horário em que a circulação estiver restrita pelo toque de recolher. 

Paraíba 

Com a ocupação de 72% dos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e 56% dos leitos da enfermaria, o estado da Paraíba endureceu as medidas restritivas.

Restrições: Toque de recolher entre 22h e 05h, suspensão do retorno às aulas e fechamento da orla das praias. As frotas de ônibus também serão aumentadas e novos leitos disponibilizados.

Piauí

O governo do Piauí estendeu as medidas restritivas que limitam o funcionamento do comércio, bares e restaurantes. A decisão visa reduzir o número de casos da Covid-19 no estado.

Restrições: O comércio em geral pode funcionar até às 17h, enquanto os shoppings centers das 12h às 21h. Bares, restaurantes, trailers, lanchonetes e barracas de praia podem funcionar até as 23h.

Rio Grande do Norte

Em um novo decreto, o governo do Rio Grande Norte ampliou as medidas restritivas para conter o avanço da pandemia do novo coronavírus e evitar o colapso na rede de saúde.

Restrições: Bares e restaurantes poderão funcionar somente até as 22h. Festas e eventos continuam proibidos.

Dificuldades na implementação

O diretor da Sociedade Brasileira de Imunizações, Renato Kfouri, argumenta que as medidas restrtitivas são efetivas, mas possuem difícil implementação no país.

“O lockdown e o fechamento do comércio são medidas eficientes de fato. A Europa inclusive é um exemplo de como essas soluções funcionam. No entanto, são difíceis de serem aplicadas no Brasil, devido às desigualdades econômicas e sociais do país”, afirma Kfouri. 

O médico ainda ressalta a importância do uso da máscara para os trabalhadores. "Sabemos que o trabalhador não pode fazer o lockdown para se proteger do vírus. Por isso o recomendado é que ele use a máscara e se proteja de todas as formas possíveis", explica.

Em relação as pessoas que burlaram a quarentena e se aglomeraram nas festas de fim de ano e no Carnaval, o médico endossa que elas podem influenciar no aumento de casos do coronavírus.

“Sabemos que existirá uma influência no aumento de infectados devido ao Carnaval e as festas do fim de ano, mas não conseguimos ainda definir a porcentagem dessa influência no número de casos”, pontua.

*Com informações de Ludmila Candal e Julyanne Jucá