Governo usará parte de estoque de doses para não interromper vacinação no RJ

Assunto foi discutido com o comitê científico da Prefeitura carioca e decisão foi tomada nesta segunda-feira (15)

Isabelle Saleme e Thayana Araujo, da CNN, no Rio de Janeiro
15 de março de 2021 às 13:52 | Atualizado 15 de março de 2021 às 13:58
Chile utilizará a Coronavac, importada de Pequim, para iniciar vacinação em mass
Secretaria da Saúde estadual usará parte do estoque de Coronavac na capital fluminense
Foto: Thomas Peter/Reuters

Com a chegada de uma nova remessa de vacinas prevista para quarta-feira (17), a Secretaria Estadual da Saúde do Rio de Janeiro vai liberar parte do lote de Coronavac para a capital fluminense para que a vacinação na cidade não seja interrompida. A decisão foi tomada nesta segunda-feira (15), conforme apurou a CNN.

A ideia é ampliar a possibilidade de imunização da população carioca, sem comprometer o quantitativo de segurança para aplicação da segunda dose na população. 

A interrupção do calendário de vacinação na cidade foi anunciada na última quinta-feira (11). Desde sexta-feira (12), só quem recebeu as doses foram idosos de 76 anos ou mais que ainda não haviam sido vacinados ou quem já estava na segunda etapa de imunização.

A CNN apurou, ainda, que um parecer técnico para apreciação das autoridades sanitárias está sendo elaborado. No encontro desta segunda-feira, as curvas de contágio na cidade também foram avaliadas. 

A situação da rede pública preocupa. Apesar de a Secretaria Municipal da Saúde informar que existe uma tendência de queda no número de casos e mortes provocadas pela Covid-19 na cidade, foi identificado um aumento no número de atendimentos a pessoas com sintomas da doença nas unidades de urgência e emergência. 

Nesse domingo (14), o município do Rio de Janeiro chegou ao maior número de pacientes internados por Covid-19 desde dezembro de 2020. Dos 1.091 internados hoje, quase metade está em leitos de UTI. A taxa de ocupação da terapia intensiva está em 91%.

Fiscalização das restrições 

Em um fim de semana de sol e de orla movimentada, após a liberação do funcionamento de quiosques e da atuação de ambulantes, os fiscais da Secretaria de Ordem Pública (Seop) registraram mais de 2.300 ações, que incluem multas e interdições a estabelecimentos, não utilização de máscaras, aglomerações, infrações de trânsito, reboques, encerramento de feiras e apreensões de mercadorias de ambulantes. Segundo o balanço da Seop, 125 estabelecimentos foram fechados e 57 multas foram aplicadas a bares, restaurantes e ambulantes.

Além da Ordem Pública, a Guarda Municipal e o Instituto de Vigilância Sanitária, com apoio da Polícia Militar, percorreram diversos pontos da zona sul, oeste e região central do Rio de Janeiro. A força-tarefa atuou em locais que apresentavam altos índices de aglomeração e também em áreas onde ocorreram denúncias de moradores. 

Restrições na capital fluminense

Nessa segunda semana de restrições na cidade do Rio de Janeiro, bares e restaurantes podem funcionar com 40% da capacidade, até 21h. Após esse horário, o consumo local não está liberado, apenas o sistema de entrega a domicílio, drive-trhu e retirada para consumo em casa. 

O toque de recolher também segue valendo entre 23h e 5h. Nesse período, a permanência em vias públicas está proibida. As regras seguem em vigor até o dia 22 de março, quando a situação da pandemia será reavaliada.