São Paulo registra a primeira morte de paciente com Covid-19 por falta de leito

Estado de São Paulo já contabiliza 71 óbitos na fila de transferência para leitos de internação em 17 cidades

Evandro Cini, Julyanne Jucá, Giovanna Bronze e Weslley Galzo, da CNN, em São Paulo
18 de março de 2021 às 09:29 | Atualizado 18 de março de 2021 às 13:05

A cidade de São Paulo registrou a primeira morte de um paciente ocasionada por falta de leito para internação na unidade de Pronto Atendimento II do Hospital São Mateus, na zona leste da capital. O óbito foi divulgado pelo prefeito Bruno Covas (PSDB) na manhã desta quinta-feira (18). A CNN confirmou a informação com as autoridades municipais.

A vítima era um jovem do sexo masculino, de 22 anos. Segundo o relatório médico obtido pela CNN, o homem era obeso e apresentava desconforto respiratório no momento em que deu entrada no hospital às 19h03 do dia 11 de março. O paciente foi mantido em observação até o dia seguinte, mas não houve evolução.

Com o agravamento do quadro, a equipe do Hospital São Mateus cadastrou o jovem na Central de Regulação de Oferta de Serviços de Saúde (CROSS) às 16h do dia 12 de março, em busca de um leito para iniciar o processo de ventilação mecânica, mas a vaga só foi cedida pelo CROSS às 17h38, cerca de 20 minutos depois da equipe médica declarar o óbito.

A coordenação do hospital chegou a remanejar um ventilador para que o jovem fosse intubado na sala de urgência às 16h20, mas foi insuficiente para reverter o quadro; o jovem entrou em parada cardiorrespiratória logo em seguida. 

Levantamento feito pela CNN junto às Secretarias Municipais de Saúde mostra que o estado de São Paulo tem atualmente 71 mortes de pacientes que aguardavam a transferência para leitos em Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e enfermaria, em 17 municípios. Os números tendem a crescer, pois, muitas prefeituras ainda não responderam às solicitações feitas pela reportagem.

São Paulo entrou em colapso nesta quinta-feira ao ultrapassar 90% de ocupação em leitos de UTI.  Especialistas ouvidos pela CNN explicam que níveis de ocupação acima de 90% já configuram colapso porque não há mais margem para rotatividade dos pacientes nos leitos.

A cidade de Taboão da Serra, onde a há o maior número de óbitos, registrou todos as mortes em um período de 9 dias, entre os dias 5 e 14 de março. De acordo com a prefeitura, outros 5 pacientes faleceram na fila de espera por um leito de internação, mas as autoridades decidiram não contabilizar como óbito aguardando transferência para a UTI.

"Os pacientes já chegaram em estado grave e faleceram em horas, por isso não estão contabilizados como a espera de leitos de UTI", diz a nota divulgada pela Prefeitura de Taboão da Serra.

Confira a lista de cidade que registram mortes na fila de espera:

  • São Paulo - 1 morte
  • Bauru - 7 mortes

  • Dracena - 13 mortes

  • Presidente Prudente - 2 mortes

  • Ribeirão Pires - 8 mortes

  • Taboão da Serra - 14 mortes

  • Vargem Grande Paulista - 1 morte

  • Nova Granada - 5 mortes

  • Franco da Rocha - 5 mortes

  • Mauá - 3 mortes

  • Rio Grande da Serra - 2 mortes

  • Diadema - 2 mortes

  • Itapecerica da Serra - 1 morte

  • Caieiras - 1 morte

  • Itapetininga - 1 morte

  • Urânia - 3 mortes

  • São Carlos - 2 mortes