Entenda por que faltam insumos para intubação nos hospitais pelo Brasil

À CNN, infectologista Raquel Muarrek explicou o uso de medicamentos para intubação de pacientes graves da Covid-19

Produzido por Henrique Andrade, da CNN, em São Paulo
19 de março de 2021 às 17:47 | Atualizado 19 de março de 2021 às 17:50

A infectologista Raquel Muarrek explicou nesta sexta-feira (19), em entrevista à CNN, o uso de medicamentos para intubação de pacientes graves da Covid-19 e por que eles estão com risco iminente de falta de estoque em todo o país. Informações obtidas pela âncora da CNN Daniela Lima mostram que governadores de diversos estados têm se preocupado com a falta dessas drogas.

"Para um paciente grave ou que necessite de intubação, usamos drogas de bloqueio neuromuscular, sedativas e elas são usadas em associações. O paciente não usa só uma droga, mas até quatro intravenosas para manter bloqueio em ventilação adequada", disse a médica.

Muarrek completou que a alta demanda por essas drogas específicas em todo o país as deixam indisponíveis no mercado, já que os medicamentos são de uso contínuo e não somente para o momento da intubação.

"A competição entre os hospitais também aumenta o valor dessas drogas. Então, se têm menos para gente poder trabalhar."

Além de pacientes com Covid-19, bloqueadores musculares e sedativos usados para intubação também são usados em cirurgia, exemplificou Raquel.  "A gente usa para sedar paciente na cirurgia, para pacientes ficarem com menos ansiedade e fazermos o tipo de ventilação necessária, que pode ser desde cateter simples de oxigênio até ventilação mecânica."

Pacientes da Covid-19 em estado grave precisam ser intubados para receber oxigênio
Foto: CNN Brasil