Vacinação de idosos de 72, 73 e 74 anos começa hoje no estado de São Paulo

Enquanto o estado antecipa a vacinação, Bruno Covas adianta 5 feriados municipais e prefeitos do ABC pedem que Doria decrete lockdown na região metropolitana

Sinara Peixoto, da CNN, em São Paulo
19 de março de 2021 às 05:00 | Atualizado 19 de março de 2021 às 08:20

O governo de São Paulo começa nesta sexta-feira (19) vacinação, contra a Covid-19, de idosos entre 72 e 74 anos. Inicialmente, a imunização das pessoas nessa faixa etária estava prevista para ter início na segunda (22). 

"Como sempre, recomendamos aos parentes, filhos, irmãos, netos que tenham calma, prudência, evitem acúmulo em filas, se cadastrando antecipadamente no Vacina Já", disse o governador do estado, João Doria, ao anunciar a antecipação da data.

A coordenadora de controle de doenças da Secretaria da Saúde de SP,  Regiane de Paula, afirmou que o avanço da vacinação foi possível graças à entrega de doses da Coronavac que o Instituto Butantan fez na segunda-feira (15).

"Podemos antecipar a vacinação de idosos de 72, 73 e 74 anos, o que corresponde a 730 mil pessoas. Em números absolutos, o estado de SP é aquele que mais vacina, já passamos de 4 milhões de doses aplicadas", completou Paula.

O governo de SP também manteve a previsão de começar, em 29 de março, a vacinação de idosos com 70 e 71 anos.

Pré-cadastro

O pré-cadastro para a vacinação está disponível no site “Vacina Já”. Segundo o governo do estado, essa inscrição, "que leva de 1 a 3 minutos", economiza 90% no tempo de atendimento para imunização. 

O preenchimento do formulário pelo site não é um agendamento e não é obrigatório para receber a vacina.

Morte sem atendimento na capital

A cidade de São Paulo registrou a primeira morte de um paciente por falta de leito. O caso foi confirmado pelo prefeito Bruno Covas (PSDB) nessa quinta-feira (18). 

A vítima era um jovem do sexo masculino, de 22 anos. Segundo o relatório médico obtido pela CNN, o homem era obeso e apresentava desconforto respiratório no momento em que deu entrada no hospital às 19h03 do dia 11 de março. O paciente foi mantido em observação até o dia seguinte, mas não houve evolução.

Com o agravamento do quadro, a equipe do Hospital São Mateus cadastrou o jovem na Central de Regulação de Oferta de Serviços de Saúde (CROSS) às 16h do dia 12 de março, em busca de um leito para iniciar o processo de ventilação mecânica, mas a vaga só foi cedida pelo CROSS às 17h38, cerca de 20 minutos depois da equipe médica declarar o óbito.

A coordenação do hospital chegou a remanejar um ventilador para que o jovem fosse intubado na sala de urgência às 16h20, mas foi insuficiente para reverter o quadro; o jovem entrou em parada cardiorrespiratória logo em seguida. 

Levantamento feito pela CNN junto às Secretarias Municipais de Saúde mostra que o estado de São Paulo tem atualmente 71 mortes de pacientes que aguardavam a transferência para leitos em Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e enfermaria, em 17 municípios.

Os números tendem a crescer, pois muitas prefeituras ainda não responderam às solicitações feitas pela reportagem.

Antecipação de feriados municipais de SP

Na tentativa de reverter o colapso na Saúde, Covas anunciou a antecipação de cinco feriados a partir da próxima sexta-feira (26). A medida busca diminuir a circulação de pessoas nas ruas, a fim de tentar conter a transmissão do novo coronavírus.

Os dois feriados municipais deste ano (Corpus Christi e Dia da Consciência Negra) e os três do ano que vem (os mesmos e o Aniversário da Cidade) serão movidos para os dias 26, 29, 30, 31 de março e 1º de abril.

De acordo com Covas, somando-se o feriado nacional do dia 2 de abril (Paixão de Cristo), serão dez dias de folga em que os paulistanos devem permanecer em casa. 

Prefeitos pedem lockdown

Prefeitos de sete cidades do Grande ABC enviaram pedido ao governador João Doria para que seja adotado lockdown em toda a região metropolitana de São Paulo, como medida para conter a disseminação do novo coronavírus. Prefeitos de outras doze cidades do Alto Tietê também solicitaram medidas mais restritivas do que as implementadas atualmente.

Os pedidos são feitos em um momento em que as cidades paulistas se encontram diante de uma piora na disponibilidade de leitos para tratamento de pacientes com Covid-19. 

(Com informações de Murillo Ferrari, Anna Satie, Julyanne Jucá, Giovanna Bronze e Weslley Galzo, da CNN, em São Paulo)