'A gente não tem mais escolha', diz especialista que defende lockdown no Brasil

Microbiologista defende medidas restritivas sérias para que número de casos e mortes por Covid-19 diminuam efetivamente

Da CNN, em São Paulo
20 de março de 2021 às 00:39

O Brasil precisa tomar medidas firmes se quiser baixar os números de contágio e de mortos por Covid-19, com um lockdown nos moldes do adotado em países da Europa.  A avaliação é da microbiologista Natália Pasternak, em entrevista à CNN.

"As cidades estão acertando, mas ainda de maneira mais discreta do que a realidade pede. O que a gente realmente precisa é uma mão mais pesada, impor um lockdown de pelo menos 15 dias a três semanas. Precisamos de lockdown porque a situação é uma calamidade", alerta.

Ela defende que a mensagem precisa ser passada para a sociedade com clareza. "É lockdown, não é feriado. São medidas realmente restritivas, de redução de mobilidade: restrição de transporte público, de funcionamento de serviços como supermercados, com auxílio para a população mais vulnerável".

Natália afirma que é preciso partir para esta ação para que o Brasil deixe de ser o epicentro da pandemia.

"Um lockdown de verdade precisa ser bem planejado. Isso é necessário agora para desafogar o sistema de saúde e liberar leitos. A situação é drástica, pede essas medidas. A gente não tem mais escolha". 

A microbiologista Natália Pasternak (19.mar.2021)
A microbiologista Natália Pasternak (19.mar.2021)
Foto: Reprodução/CNN