USP: 84% de contaminados no Rio tinham a variante de Manaus do novo coronavírus

Das amostras examinadas apenas três eram da variante britânica do novo coronavírus

Fernando Molica
Por Fernando Molica, CNN  
20 de março de 2021 às 14:40 | Atualizado 20 de março de 2021 às 14:44
Leitos de UTI no Hospital Ronaldo Gazzola, na zona norte do Rio de Janeiro
Leitos de UTI no Hospital Ronaldo Gazzola, na zona norte do Rio de Janeiro, durante pandemia da Covid-19
Foto: Wilton Júnior/Estadão Conteúdo (10.mar.2021)

Análise feita pelo Instituto de Medicina Tropical da Universidade de São Paulo (USP) em cem amostras recolhidas de pacientes com Covid-19 na cidade do Rio de Janeiro revelou que 84 deles haviam sido contaminados com a variante P1 do novo coronavírus. Originária de Manaus, esta cepa tem maior poder de contágio que a convencional.

De acordo com o secretário municipal de Saúde da capital fluminense, Daniel Soranz, o resultado indica que o Rio  pode passar pela situação de crise no sistema de saúde verificada em estados como São Paulo e Paraná.

Das amostras examinadas apenas três eram da variante britânica do novo coronavírus, a B1.1.17.  Os demais casos examinados pela USP estavam relacionados ao vírus que gerou o início da pandemia.

Soranz afirmou que a prefeitura pretende terminar de vacinar os maiores de 60 anos até o fim de abril.