Correspondente Médico: Sem intubação, paciente pode sofrer prejuízo irreparável

Neurocirurgião Fernando Gomes explica por que a técnica é essencial para salvar vidas e evitar sequelas em internados pelo novo coronavírus

Daniel Corrá, da CNN, em São Paulo
22 de março de 2021 às 08:42 | Atualizado 22 de março de 2021 às 08:43

Na edição desta segunda-feira (22) do quadro Correspondente Médico, do Novo Dia, o neurocirurgião Fernando Gomes explicou por que a técnica de intubação, muito utilizada em pacientes graves internados com Covid-19, é fundamental para salvar vidas e evitar sequelas.

Com o crescimento das internações por Covid-19 em todo o país, o estoque de equipamentos e medicamentos usados para intubar os pacientes está com risco iminente de falta. Gomes explicou que, na maioria dos casos, a intubação é feita com a pessoa consciente e, por isso, o kit intubação é necessário para o relaxamento muscular.

"[A intubação] é feita quando a taxa de oxigenação do sangue é detectada em níveis limítrofes ou que compatível com hipoxemia, ou seja, existe menos oxigênio do que o necessário para o corpo funcionar de forma adequada", disse o médico. "Isso poderia provocar prejuízos irreparáveis, como, por exemplo, AVC ou alteração no funcionamento do coração e até mesmo parada cardiorrespiratória", completou.

"Essas substâncias [do kit intubação] são importantes porque se precisa permitir que o paciente esteja em situação favorável, sem brigar com todo esse dispositivo, para que se consiga oferecer o tratamento", explicou Gomes.

Em UTIs para pacientes com Covid-19, pacientes precisam ser intubados para auxiliar na oxigenação do sangue
Foto: CNN Brasil