Fiocruz ainda usa insumos de fevereiro em produção de vacinas contra a Covid

Remessa mais recente de insumos está guardada para garantir produção de doses até maio

Thayana Araujo, da CNN, no Rio de Janeiro
26 de março de 2021 às 14:04
Doses de vacina Oxford/AstraZeneca
Doses de vacina Oxford/AstraZeneca
Foto: Cassino Rosário/Futura Press/Estadão Conteúdo

A Fundação Oswaldo Cruz ainda está finalizando a produção de vacinas com os Ingredientes Farmacêuticos Ativos (IFAs) vindos dos lotes de fevereiro. As novas remessas de IFA que chegaram ao Rio de Janeiro, nessa quinta-feira (25), podem garantir a produção de vacina até o mês de maio sem prejuízos de eventuais atrasos de envios de novos lotes.

"Neste fim de março, em processo contínuo, as entregas passam a ser semanais. A produção está sendo escalonada de forma significativa. Com essa remessa de ontem (25) e as três que chegam nos próximos dias (26 e 27), a produção está garantida até o fim de maio", informou a assessoria de imprensa da Fiocruz à CNN.

Os novos IFAs passarão por um processo de três dias de descongelamento para só depois estarem disponíveis para a produção de vacinas. Como a Fiocruz ainda trabalha com os insumos da remessa que chegou em fevereiro a notícia é positiva no que tange o estoque de insumos para a produção seguir no ritmo ideal.

Enquanto isso, o Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio-Manguinhos/Fiocruz) segue produzindo vacinas com os IFAs pertencentes ao lote com 90 litros recebido em 6 de fevereiro, quantidade suficiente para a produção de 2,8 milhões de doses. Até o final da próxima semana, estão previstas outras entregas totalizando aproximadamente 3,9 milhões de doses no mês de março.

A Fiocruz prevê que em abril sejam entregues mais de 18 milhões de doses. Os quatro lotes de IFA que chegam nas novas remessas de março cobrem as entregas de abril e parte das doses a serem disponibilizadas em maio. As remessas se somam ao quantitativo de insumos já recebido em fevereiro, equivalente a 15 milhões de doses. A Fiocruz iniciou a entrega das vacinas produzidas em Bio-Manguinhos com o IFA importado e já disponibilizou mais de um milhão de doses ao Programa Nacional de Imunizações (PNI).